quinta-feira, 29/02/2024
Banner animado
InícioGeralOpinião1º DE MAIO: aumento para quem não trabalha

1º DE MAIO: aumento para quem não trabalha

Banner animado

                  Estabeleceu-se, nesse 1º de Maio um verdadeiro paradoxo. No Dia do Trabalho, o governo anuncia aumento no valor do Bolsa Família, um programa social criado para atender àqueles que, por alguma razão, não têm trabalho. Fez-se isso num momento em que o pais amarga a mais alta taxa de desemprego, fruto da desastrada política econômica implementada pelos governos do Partido dos Trabalhadores e partidos da sua base aliada que, para fazer frente à crise da economia mundial, potencializou o consumo através do crédito fácil e temerário e da renúncia fiscal que acabou ensejando atos de corrupção hoje apurados judicialmente.

               O trabalhador brasileiro não teve o que comemorar nesse 1º de maio. Pelo contrário, no momento em que está desempregado ou teme perder o seu emprego, ele vê o esfacelar do partido político e o migrar dos seus aliados (entre eles o PMDB) que, com o discurso fácil e os conchavos, ascenderam ao poder e, encastelados, viraram-lhe as costas e hoje são alvos das mais graves acusações de corrupção e irregularidades. Se sonhou com dias melhores, hoje já se conscientizou que não será através da política desses partidos em que um dia confiou. Muitos não sabem, nem, se poderão confiar em alguém. A desesperança é um grande mau para o país.

               A outra medida pseudo-populista anunciada pela presidente, em 1º de maio, é a correção da tabela de isenção do Imposto de Renda. É, sem dúvida, uma reivindicação geral, mas, se a quisesse implantá-la de fato, não precisaria fazê-lo à véspera de seu afastamento. Conclui-se que se não estivesse para cair, não o faria.

               Pela atitude ora adotada, é preciso vigilância total sobre esses últimos dias em que a presidente continuará no poder. Embora tenha autoridade para tanto, há que se questionar as “bondades” que possa assinar e deixar para o sucessor cumprir. Poderão existir, entre os atos de governo, algumas bombas de difícil desarme. O mais decente e correto para com a nação, seria Dilma apenas despachar o expediente, mas não há garantias de que ela tenha a suficiente grandeza para assim agir.

               Acusar o vice de “golpe” é expediente normal de todos os governantes prestes a cair. Já se viu isso acontecer em episódios anteriores, também em estados e municípios. Mas adotar medidas populistas de ultima hora que possam estourar nas mãos do sucessor, é o cúmulo da desonestidade. É preciso compreender que, depois do impeachment, independente do resultado, todos nós teremos um Brasil para reconstruir. Quanto mais devastado estiver, mais difícil será a recuperação e maior o sofrimento do povo, especialmente dos que hoje padecem com o desemprego.

 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) 

aspomilpm@terra.com.br                                                                                                     

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes