terça-feira, 16/04/2024
Banner animado
InícioGeralCiência e TecnologiaA melhor ginástica para o cérebro? Ser bilingue

A melhor ginástica para o cérebro? Ser bilingue

Banner animado

por DN.pt

A melhor ginástica para o cérebro? Ser bilingue
Fotografia © D.R.

Estudos recentes concluem que falar pelo menos duas línguas pode ajudar no combate à demência e torna mais ágil a massa cinzenta.

Nos últimos anos, vários estudos se têm debruçado sobre as mudanças que ocorrem no cérebro quando se fala mais do que uma língua. Isto porque o cérebro de uma pessoa bilingue funciona como uma espécie de semáforo: quando precisa de escolher uma palavra, dá luz verde ao idioma em uso e barra com uma luz vermelha a palavra de que não necessita. Um processo de seleção natural que, se feito centenas de vezes por dia, funciona como uma espécie de ginástica para a massa cinzenta.

Já existem investigações que, segundo o El País, indicam que falar dois idiomas permite combater melhor o Alzheimer ou a demência. E duas universidades norte-americanas estão, na atualidade, a estudar as vantagens que traz a utilização de uma segunda língua no dia-a-dia. “Os cérebros bilingues estão melhor equipados para processar a informação“, explica a professor Viorica Marian, psicóloga e autora principal de um estudo da Universidade de Northwestern, nos Estados Unidos da América.

Postada por JL Pindado Verdugo

O Instituto de Aprendizagem e Ciências do Cérebro da Universidade de Washington, em Seattle, nos EUA, partilha desta convicção e, por isso, entrou recentemente em contacto com as autoridades espanholas, com o objetivo de alargarem a sua investigação para o país vizinho. Desde meados de 2014 que Patricia K. Khul e Andrew N. Meltzofr estão em contacto com Madrid e o Ministério da Educação espanhol para ampliarem o seu estudo a centros escolares com crianças até aos três anos de idade.

Em Espanha, a maioria dos municípios implementou na escola pública o ensino de inglês, pelo que será mais fácil analisar oimpacto que o bilinguismo pode ter no cérebro na idade em que é mais fácil aprender um novo idioma: o cérebro de uma criança, até aos sete anos, adapta-se facilmente a qualquer inovação, explicam os especialistas de Seattle. Entre os oito e os 18 anos de idade, a aprendizagem de línguas estrangeiras torna-se “mais académica e lenta”, logo, mais complicada.

Ambas as equipas norte-americanas, da universidade de Washington e Northwestern, querem observar as partes do cérebro que se ativam nas pessoas que dominam apenas um idioma e fazer a mesma análise nas que falam, pelo menos, mais uma língua estrangeira.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes