quarta-feira, 28/02/2024
Banner animado
InícioGeralOpiniãoA proteção dos caixas eletrônicos e da sociedade

A proteção dos caixas eletrônicos e da sociedade

Banner animado

            A explosão de caixas eletrônicos tornou-se fato banal na crônica policial brasileira. Todos os dias temos notícia de um, dois, três ou mais caixas invadidos e arrebentados por bandidos que levam seu dinheiro e, de quebra, deixam um rastro de destruição nas instalações. Com a certeza de ter dinheiro fácil, as quadrilhas invadem fábricas, postos de combustíveis, supermercados e as próprias agências bancárias e, para ter mais facilidade de fuga, ousam metralhar instalações e viaturas e, até, matar policiais que tentem contê-los. Esse crime acontece tanto nas capitais quanto nas menores cidades do interior. O quadro já extrapolou a área de atribuição policial. É preciso um grande esforço nacional para inviabilizar os ataques, que escandalizam e atormentam a população.

            Temos de encontrar meios de proteger as instalações e desencorajar as quadrilhas. O governo executa há anos a campanha de desarmamento do povo mas, lamentavelmente, não consegue fazer o mesmo em relação aos bandidos que, a cada dia, portam mais pistolas automáticas, fuzis, metralhadoras e armas de guerra. Quando começaram a atacar os caixas eletrônicos, levavam o cofre ou até a máquina inteira, para abrir em local seguro e retirar o dinheiro. Depois passaram cortá-los com serra ou maçarico e, de tempos para cá, usam o explosivo. Tanto as armas quanto os explosivos têm porte proibido. É necessário exercer o controle com o mesmo ímpeto que se aplica  ao cidadão incauto que insiste em portar arma para defesa pessoal.

            A escalada do crime – especialmente o crime organizado – constitui o grande drama da sociedade brasileira. Saímos do romântico tempo das cadeiras na calçada, onde os vizinhos se reuniam no início da noite para conversar, para o quadro atual de moradias cercadas por grades e sensores e impossibilidade de sairmos às ruas onde, mesmo de automóvel, corremos o risco de ser assaltados ou mortos. Não podemos mais ir ao banco e sacar dinheiro, portar relógio ou qualquer objeto de valor e até o caixa eletrônico, criado para facilitar nossa vida, com certeza vai se tornar mais indisponível e raro, pois se transformou em fator de risco.

            Governo, parlamentares, juristas, sociólogos, ongueiros e todos aqueles que batem no peito dizendo ter lutado pela implantação e aperfeiçoamento da democracia não devem dar sua tarefa por encerrada. Agora é hora de devolver ao povo o seu direito de ir e vir e de subjugar o crime para que o crime não subjugue a sociedade. Mãos à obra, senhores e senhoras!!!

 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)  - aspomilpm@terra.com.br   

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes