terça-feira, 16/04/2024
Banner animado
InícioAGRONOTÍCIASAgronegócioApexBrasil e Unem firmam convênio para exportação de farelo de milho

ApexBrasil e Unem firmam convênio para exportação de farelo de milho

Banner animado

Promover o farelo de milho (DDG/DDGS) no mercado internacional. Esse é o intuito do convênio firmado entre a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e a União Nacional do Etanol de Milho (Unem) nesta segunda-feira (10).

Promover o farelo de milho (DDG/DDGS) no mercado internacional. Esse é o intuito do convênio firmado entre a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e a União Nacional do Etanol de Milho (Unem) nesta segunda-feira (10). O lançamento do Projeto Setorial de Promoção das Exportações de Farelo de Milho DDG/DDGS 2023-2025 ocorreu no município de Sorriso, em Mato Grosso, nesta manhã. A parceria terá dois anos. O farelo de milho (DDG/DDGS) é um produto de nutrição animal resultado da produção de etanol de milho cultivado na segunda safra. O projeto faz parte da estratégia do Brasil em promover o etanol de milho como alternativa energética, agregar valor às exportações do agronegócio e aumentar a oferta de farelo do cereal para produção de proteína animal. “É um passo inicial de uma grande agenda internacional de negócios”, comenta o presidente da Unem, Guilherme Nolasco. Conforme o presidente da ApexBrasil, Jorge Viana, o presidente Luís Inácio Lula da Silva “trouxe de volta o que chamamos de Diplomacia Presidencial”, levando produtos brasileiros para o mercado externo. Jorge Viana classifica a cadeia produtiva do etanol de milho como “extraordinária” e que o convênio é fundamental para ela “possa ser competitiva mundo à fora”. “O estado de Mato Grosso precisa ser bem tratado, porque aqui nós temos um case de sucesso e esforço muito grande dos produtores em melhorar a sua produtividade. E, acho que cabe a nós que somos de o governo melhorar a infraestrutura, principalmente, abrir mercado”, diz Jorge Viana. Produção de etanol e farelo de milho no Brasil A produção de milho, pontua a Unem, está inserida dentro de uma economia circular, com alto aproveitamento do grão. Um dos produtos oriundos da produção de etanol de milho é o farelo, chamado de DDG/DDGs, (distiller´s dried grains/grãos secos por destilação) ou DDGS – (distiller´s dried grains with solubles/grãos secos por destilação com solúveis) utilizado na nutrição animal. A utilização do farelo na indústria de etanol de milho começou a partir de 2010. Conforme dados da Unem, o país 20 indústrias usinas de etanol de milho em operação e outras nove usinas com autorização para construção. Somente para a safra 2023/2024 de etanol de milho são esperados seis bilhões de litros de biocombustível. Mato Grosso é o principal produtor do biocombustível e deverá ser responsável por quase 70% da produção nacional, com em torno de 4,16 bilhões de litros de etanol de milho. Para a atual safra, a estimativa de produção brasileira é de 3 milhões de toneladas de DDG/DDGS, e as projeções indicam que até 2031/2032 a produção brasileira de DDG/DDGS chegará a aproximadamente 6,5 milhões de toneladas. Tanto a Unem quanto a ApexBrasil pontuam que o esse excedente de farelo de milho tem potencial de atender diversos mercados internacionais, uma vez que é crescente a busca por ingredientes alternativos na alimentação animal, que representa hoje cerca de 80% dos custos de produção das carnes. “Já estamos exportando DDG. O ano passado foram 274 mil toneladas. Esse ano de janeiro a maio beiramos as 400 mil toneladas. Esse projeto definiu oito países alvos. A expectativa é que a gente possa usar o mercado internacional para balizar preços, regular o mercado interno”, comenta Guilherme Nolasco. Os mercados-alvo foram selecionados com base na produção pecuária e tratam-se da China, Espanha, Indonésia, Japão, Nova Zelândia, Reino Unido, Tailândia, Turquia e Vietnã. Convênio auxiliará na transição energética O presidente da ApexBrasil, Jorge Viana, salienta também que o convênio tem papel importante para a transição energética do país. O ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, ressalta que o Brasil tem capacidade para elevar a mistura de etanol anidro na gasolina de 27,5% para 30%. “A transição energética do país vai cada vez mais passar pelos biocombustíveis e o nosso é o etanol e ele vai crescer, porque é determinação do presidente Lula”. O investimento em infraestrutura de logística, conforme Carlos Fávaro, será fundamental, inclusive, para a ampliação da produção de etanol de milho e seus co-produtos, como é o caso do farelo de milho. O ministro da Agricultura e Pecuária ressalta que somente no primeiro semestre o Ministério da Infraestrutura destinou para Mato Grosso cerca de R$ 500 milhões para a recuperação de rodovias federais pavimentadas e outros R$ 500 milhões, aproximadamente, para novas obras. “Isso vai dando aos poucos competitividade e segurança aos produtores”, diz Carlos Fávaro, pontuando que “que sempre digo que um tijolo que for assentado em infraestrutura de logística em qualquer região beneficia o Brasil”, como é o caso das ferrovias.Promover o farelo de milho (DDG/DDGS) no mercado internacional. Esse é o intuito do convênio firmado entre a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e a União Nacional do Etanol de Milho (Unem) nesta segunda-feira (10). O lançamento do Projeto Setorial de Promoção das Exportações de Farelo de Milho DDG/DDGS 2023-2025 ocorreu no município de Sorriso, em Mato Grosso, nesta manhã. A parceria terá dois anos. O farelo de milho (DDG/DDGS) é um produto de nutrição animal resultado da produção de etanol de milho cultivado na segunda safra. O projeto faz parte da estratégia do Brasil em promover o etanol de milho como alternativa energética, agregar valor às exportações do agronegócio e aumentar a oferta de farelo do cereal para produção de proteína animal. “É um passo inicial de uma grande agenda internacional de negócios”, comenta o presidente da Unem, Guilherme Nolasco. Conforme o presidente da ApexBrasil, Jorge Viana, o presidente Luís Inácio Lula da Silva “trouxe de volta o que chamamos de Diplomacia Presidencial”, levando produtos brasileiros para o mercado externo. Jorge Viana classifica a cadeia produtiva do etanol de milho como “extraordinária” e que o convênio é fundamental para ela “possa ser competitiva mundo à fora”. “O estado de Mato Grosso precisa ser bem tratado, porque aqui nós temos um case de sucesso e esforço muito grande dos produtores em melhorar a sua produtividade. E, acho que cabe a nós que somos de o governo melhorar a infraestrutura, principalmente, abrir mercado”, diz Jorge Viana. Produção de etanol e farelo de milho no Brasil A produção de milho, pontua a Unem, está inserida dentro de uma economia circular, com alto aproveitamento do grão. Um dos produtos oriundos da produção de etanol de milho é o farelo, chamado de DDG/DDGs, (distiller´s dried grains/grãos secos por destilação) ou DDGS – (distiller´s dried grains with solubles/grãos secos por destilação com solúveis) utilizado na nutrição animal. A utilização do farelo na indústria de etanol de milho começou a partir de 2010. Conforme dados da Unem, o país 20 indústrias usinas de etanol de milho em operação e outras nove usinas com autorização para construção. Somente para a safra 2023/2024 de etanol de milho são esperados seis bilhões de litros de biocombustível. Mato Grosso é o principal produtor do biocombustível e deverá ser responsável por quase 70% da produção nacional, com em torno de 4,16 bilhões de litros de etanol de milho. Para a atual safra, a estimativa de produção brasileira é de 3 milhões de toneladas de DDG/DDGS, e as projeções indicam que até 2031/2032 a produção brasileira de DDG/DDGS chegará a aproximadamente 6,5 milhões de toneladas. Tanto a Unem quanto a ApexBrasil pontuam que o esse excedente de farelo de milho tem potencial de atender diversos mercados internacionais, uma vez que é crescente a busca por ingredientes alternativos na alimentação animal, que representa hoje cerca de 80% dos custos de produção das carnes. “Já estamos exportando DDG. O ano passado foram 274 mil toneladas. Esse ano de janeiro a maio beiramos as 400 mil toneladas. Esse projeto definiu oito países alvos. A expectativa é que a gente possa usar o mercado internacional para balizar preços, regular o mercado interno”, comenta Guilherme Nolasco. Os mercados-alvo foram selecionados com base na produção pecuária e tratam-se da China, Espanha, Indonésia, Japão, Nova Zelândia, Reino Unido, Tailândia, Turquia e Vietnã. Convênio auxiliará na transição energética O presidente da ApexBrasil, Jorge Viana, salienta também que o convênio tem papel importante para a transição energética do país. O ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, ressalta que o Brasil tem capacidade para elevar a mistura de etanol anidro na gasolina de 27,5% para 30%. “A transição energética do país vai cada vez mais passar pelos biocombustíveis e o nosso é o etanol e ele vai crescer, porque é determinação do presidente Lula”. O investimento em infraestrutura de logística, conforme Carlos Fávaro, será fundamental, inclusive, para a ampliação da produção de etanol de milho e seus co-produtos, como é o caso do farelo de milho. O ministro da Agricultura e Pecuária ressalta que somente no primeiro semestre o Ministério da Infraestrutura destinou para Mato Grosso cerca de R$ 500 milhões para a recuperação de rodovias federais pavimentadas e outros R$ 500 milhões, aproximadamente, para novas obras. “Isso vai dando aos poucos competitividade e segurança aos produtores”, diz Carlos Fávaro, pontuando que “que sempre digo que um tijolo que for assentado em infraestrutura de logística em qualquer região beneficia o Brasil”, como é o caso das ferrovias.

Foto: Assessoria Unem

O lançamento do Projeto Setorial de Promoção das Exportações de Farelo de Milho DDG/DDGS 2023-2025 ocorreu no município de Sorriso, em Mato Grosso, nesta manhã. A parceria terá dois anos.

O farelo de milho (DDG/DDGS) é um produto de nutrição animal resultado da produção de etanol de milho cultivado na segunda safra.

O projeto faz parte da estratégia do Brasil em promover o etanol de milho como alternativa energética, agregar valor às exportações do agronegócio e aumentar a oferta de farelo do cereal para produção de proteína animal.

“É um passo inicial de uma grande agenda internacional de negócios”, comenta o presidente da Unem, Guilherme Nolasco.

Guilherme Nolasco presidente Unem convênio apexGuilherme Nolasco presidente Unem convênio apex

Guilherme Nolasco, presidente Unem. Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural Mato Grosso

Conforme o presidente da ApexBrasil, Jorge Viana, o presidente Luís Inácio Lula da Silva “trouxe de volta o que chamamos de Diplomacia Presidencial”, levando produtos brasileiros para o mercado externo.

Jorge Viana classifica a cadeia produtiva do etanol de milho como “extraordinária” e que o convênio é fundamental para ela “possa ser competitiva mundo à fora”.

“O estado de Mato Grosso precisa ser bem tratado, porque aqui nós temos um case de sucesso e esforço muito grande dos produtores em melhorar a sua produtividade. E, acho que cabe a nós que somos de o governo melhorar a infraestrutura, principalmente, abrir mercado”, diz Jorge Viana.

  • Mais Milho: o sucesso do etanol que impulsiona a produção de milho

Produção de etanol e farelo de milho no Brasil

Jorge Viane presidente da ApexBrasil convênio UnemJorge Viane presidente da ApexBrasil convênio Unem

Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural Mato Grosso

A utilização do farelo na indústria de etanol de milho começou a partir de 2010. Conforme dados da Unem, o país 20 indústrias usinas de etanol de milho em operação e outras nove usinas com autorização para construção.

Para a atual safra, a estimativa de produção brasileira é de três milhões de toneladas de DDG/DDGS, e as projeções indicam que até 2031/2032 a produção brasileira de DDG/DDGS chegará a aproximadamente 6,5 milhões de toneladas.

  • Transporte de etanol de milho via ferrovia pode impulsionar fornecimento do biocombustível

Tanto a Unem quanto a ApexBrasil pontuam que o esse excedente de farelo de milho tem potencial de atender diversos mercados internacionais, uma vez que é crescente a busca por ingredientes alternativos na alimentação animal, que representa hoje cerca de 80% dos custos de produção das carnes.

“Já estamos exportando DDG. O ano passado foram 274 mil toneladas. Esse ano de janeiro a maio beiramos as 400 mil toneladas. Esse projeto definiu oito países alvos. A expectativa é que a gente possa usar o mercado internacional para balizar preços, regular o mercado interno”, comenta Guilherme Nolasco.

Os mercados-alvo foram selecionados com base na produção pecuária e tratam-se da China, Espanha, Indonésia, Japão, Nova Zelândia, Reino Unido, Tailândia, Turquia e Vietnã.

Carlos Fávaro convênio ApexBrasil e UnemCarlos Fávaro convênio ApexBrasil e Unem

Carlos Fávaro, ministro da Agricultura e Pecuária. Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural Mato Grosso

Convênio auxiliará na transição energética

O presidente da ApexBrasil, Jorge Viana, salienta também que o convênio tem papel importante para a transição energética do país.

O ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, ressalta que o Brasil tem capacidade para elevar a mistura de etanol anidro na gasolina de 27,5% para 30%.

“A transição energética do país vai cada vez mais passar pelos biocombustíveis e o nosso é o etanol e ele vai crescer, porque é determinação do presidente Lula”.

  • Aumento de etanol na mistura da gasolina pode impulsionar preço do milho, diz Fávaro

O investimento em infraestrutura de logística, conforme Carlos Fávaro, será fundamental, inclusive, para a ampliação da produção de etanol de milho e seus co-produtos, como é o caso do farelo de milho.

O ministro da Agricultura e Pecuária ressalta que somente no primeiro semestre o Ministério da Infraestrutura destinou para Mato Grosso cerca de R$ 500 milhões para a recuperação de rodovias federais pavimentadas e outros R$ 500 milhões, aproximadamente, para novas obras.

“Isso vai dando aos poucos competitividade e segurança aos produtores”, diz Carlos Fávaro, pontuando que “que sempre digo que um tijolo que for assentado em infraestrutura de logística em qualquer região beneficia o Brasil”, como é o caso das ferrovias.

 

+Confira mais notícias do projeto Mais Milho no YouTube

Clique aqui, entre em nossa comunidade no WhatsApp do Canal Rural Mato Grosso e receba notícias em tempo real.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes