quarta-feira, 21/02/2024
Banner animado
InícioNotíciasPolíticaAprovada a continuidade do impeachment de Dilma Rousseff

Aprovada a continuidade do impeachment de Dilma Rousseff

Banner animado

     CLAMOR 2

                  Milhares de pessoas por todo Brasil  comemoram a aprovação do processo de impeachment contra a Presidente Dilma Rousseff na Câmara federal, cuja votação teve inicio  as 16h deste domingo(17). O placar dos que votaram “sim” chegou a 342 votos, quantia necessária para o processo seguir, agora, para avaliação do Senado. O 342º voto foi do deputado Bruno Araújo (PSDB-PE).

           O Processo agora segue para o Senado, que deve decidir sobre seu prosseguimento ou não por maioria simples.

        Deputados e seus familiares superlotaram o Plenário da Câmara onde estavam presentes 511 dos 513 parlamentares da Casa. Os ausentes foram Clarissa Garotinho (PR-RJ), que está de licença-maternidade, e Aníbal Gomes (PMDB-CE), que não compareceu à sessão. Na conclusão da votação o resultado foi 367 votos sim, 137 não, 7 abstenções e duas faltas.

 resultado votos

CLAMOR 3     

   Do  Uol

                Na história política brasileira, é a segunda vez que o processo de impedimento de um presidente da República recebe o aval da Câmara dos Deputados. A primeira foi em 29 de setembro de 1992, quando o então presidente Fernando Collor de Mello, do PRN, teve seu pedido de afastamento acolhido com o voto de 441 deputados (outros 38 votaram contra, um se absteve e 23 não compareceram à sessão).

                A sessão deste domingo (17) começou com confusão -os parlamentares contra o impeachment reclamaram ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que havia colegas se manifestando a favor do impedimento atrás da mesa da Casa. Houve gritaria e empurra-empurra. Após as orientações de voto das lideranças dos partidos, a votação começou por volta das 17h45.

                  O primeiro deputado a votar foi Washington Reis (PMDB-RJ), que estava de cadeira de rodas e, por questões de saúde, passou na frente da bancada do Estado de Roraima.  Ele votou sim, pelo impeachment.

 Próximos passos

                  O Senado deve começar ainda neste mês a apreciar a denúncia apresentada contra Dilma. Em linhas gerais, os senadores votarão primeiro para dizer se concordam ou não com a instauração do processo. Para avançar, o impeachment precisará do voto da maioria, isto é, de pelo menos 41 dos 81 senadores.

                  Se o processo for de fato aberto, a presidente se afastará do cargo por um período de seis meses (180 dias). Terá início, então, a discussão e análise da denúncia, com apresentações da acusação e da defesa, sob o comando do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Ricardo Lewandowski.

          Esse processo culminará com o julgamento final dos senadores, em votação nominal e aberta no plenário: Dilma será afastada definitivamente da Presidência da República se dois terços do Senado (54 dos 81 senadores) julgarem que ela cometeu crime. Nesse caso, o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), assume, com a missão de cumprir o mandato restante até o fim, no dia 31 de dezembro de 2018.

Leia mais no www.uol.com.br

   

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes