terça-feira, 16/04/2024
Banner animado
InícioCOMUNIDADE EM PAUTABancos devem começar a compartilhar dados sobre indícios de golpes

Bancos devem começar a compartilhar dados sobre indícios de golpes

Banner animado

Brasileiros inadimplentes Serasa dinheiro economia

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Gazeta Brasil

A partir de hoje (1º de novembro de 2023), bancos e instituições financeiras do Brasil devem compartilhar dados sobre fraudes no Sistema Financeiro Nacional (SFN) e no Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB). A medida foi aprovada pelo Banco Central (BC) em maio deste ano e tem como objetivo aumentar a eficiência da prevenção e combate a fraudes.

O compartilhamento de dados deve ser realizado em até 24 horas após a identificação de indícios de fraude. As informações compartilhadas incluem:

  • Identificação do autor da fraude;
  • Descrição dos indícios de fraude;
  • Identificação do banco responsável pelo registro das informações;
  • Identificação da conta destinatária e de seu titular, em caso de transferência de recursos ou pagamento.

O BC considera indícios de fraude as seguintes atividades suspeitas:

  • Abertura de conta de depósitos ou de conta de pagamento;
  • Prestação de serviço de pagamento;
  • Manutenção de conta de depósitos ou de conta de pagamento;
  • Contratação de operação de crédito.

A análise de eventuais fraudes deve ser realizada em operações de:

  • Saques de recursos em espécie;
  • Transferências entre contas na própria instituição;
  • Transferência Eletrônica Disponível (TED);
  • Transações de pagamento com cheque;
  • Transações de pagamento instantâneo (Pix);
  • Transferências por meio de Documento de Crédito (DOC);
  • Boletos de pagamento.

O BC ressalta que as administradoras de consórcio estão isentas dessa obrigação, assim como indícios da prática dos crimes de lavagem de dinheiro ou ocultação de bens, direitos e valores e de financiamento do terrorismo.

Responsabilidades

O registro, a consulta e o uso das informações compartilhadas devem ser feitos via sistema eletrônico, sob a responsabilidade das instituições financeiras, que também devem preservar o sigilo dos dados.

Em caso de contratação de outra empresa para prestação do serviço de compartilhamento ou tratamento de dados e informações compartilhados, a responsabilidade continuará sendo do banco ou da instituição financeira contratante.

Antes do compartilhamento dos dados de fraudes, as instituições deverão ter a concordância de seus clientes firmada em contrato para registro e compartilhamento dos dados de fraudes no sistema eletrônico.

Outras ações

A Febraban, que representa os bancos do Brasil, informou que já adotava medidas de prevenção a fraudes antes da regulamentação do BC. Na semana passada, a federação lançou uma campanha de conscientização sobre golpes financeiros.

Direitos do consumidor

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) orienta os consumidores que foram vítimas de fraude a seguir os seguintes passos:

  • Avisar imediatamente a instituição financeira para a qual o dinheiro foi enviado;
  • Fazer um boletim de ocorrência na polícia estadual;
  • Abrir uma reclamação no Banco Central.

O Idec afirma que é obrigação do banco garantir a segurança dos usuários. A vítima da fraude ainda pode pedir a reparação de direitos judicialmente, mediantes apresentação de provas.

Em causas judiciais com valor abaixo de 40 salários mínimos, a pessoa poderá procurar um Juizado Especial Cível (Juizado de Pequenas Causas), para garantir a gratuidade e agilidade. Mas, se o valor for superior a 40 mínimos, o caminho é a Justiça comum.

Em causas de até 20 salários mínimos, não é obrigatória a representação do autor da ação por advogado. Desta forma, o consumidor pode ajuizar a ação por conta própria.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes