terça-feira, 16/04/2024
Banner animado
InícioGeralOpiniãoBrasil, candidatos e sociedade

Brasil, candidatos e sociedade

Banner animado

              No apagar das luzes da “Copa das Copas”, independente de quem leve o caneco – Alemanha ou Argentina -, restam muitas preocupações. De imediato, a possibilidade de um ataque em massa dos famigerados black blocs, cuja mobilização já teria sido identificada pelo menos em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Mas esse é apenas o mal imediato.
A volta da inflação é a grande ameaça, que atinge todos os brasileiros; o teto tecnicamente estabelecido para seu controle já foi rompido e a escalada de preços é cada dia mais presente, principalmente porque a atividade econômica está em baixa, o mercado descapitalizado e o crédito restrito. Não vamos nos esquecer do ocorrido nas vizinhas Argentina e Venezuela, onde a inflação surgiu, os governos disseram que estava sob controle, e deu no que deu.
                       Que os candidatos – a presidente, governador, senador e deputado – não escolham para campanha o terreno comum da lamentação e da caça às bruxas da Copa. E os eleitores tenham a consciência de que a conseqüência do voto (boa ou má) é sentida durante todo o mandato dos eleitos e até depois dele. É preciso que uns e outros usem as próximas eleições na tentativa de construir pontes para a solução dos graves problemas nacionais.
               Candidatos devem dizer claramente o que pretendem fazer para evitar a volta da inflação, manter a economia em funcionamento, garantir o emprego e prover a população de saúde, educação, segurança pública e outros serviços de obrigação governamental. A eleição é o grande e único momento em que o candidato pode dizer ao povo a que veio e o povo tem a oportunidade de escolher aquele que melhor lhe interesse. Conseguida essa sintonia, ganha a sociedade.
                    Não precisamos de messiânicos salvadores da pátria, mensagens enganadoras e nem de carinhas bonitinhas preparadas pelos marketeiros. O país necessita de trabalho contínuo e competente e de uma nova postura de toda a sociedade no combate sem trégua à corrupção. Logo, a redenção nacional não depende só daqueles que serão eleitos a 5 de outubro, mas também do comprometimento do Ministério Público, do Judiciário e das diferentes forças da sociedade.
                       Carecemos de uma ampla reforma de conceitos, de deveres concomitantes aos direitos, de equilíbrio e do combate sem trégua a todos os tipos de corrupção, desde as grandes negociatas até a simples gorjeta ou agrado a quem tem a obrigação de fazer. Não precisamos de culturas e hábitos alienígenas que nada têm a ver com a índole e as tradições de nosso povo. É uma grande tarefa, que não está restrita aos políticos. É de todos nós.
                      Em tempo: temos de (mesmo que não seja possível já para esse ano, pois o processo está deflagrado) acabar com a nefasta reeleição e com todas as formas de perenização de um homem ou grupo no poder. A alternância é o grande oxigênio que purifica as artérias da sociedade…

              Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) – aspomilpm@terra.com.br

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes