quinta-feira, 29/02/2024
Banner animado
InícioNotíciasPolicialIndígenas são feitos reféns durante assalto a cooperativa em aldeia em MT

Indígenas são feitos reféns durante assalto a cooperativa em aldeia em MT

Banner animado

Por g1 MT

Defensivos agrícolas de cooperativa foram roubados  — Foto: Divulgação

Defensivos agrícolas de cooperativa foram roubados — Foto: Divulgação

Seis indígenas foram feitos reféns, entre eles dois adolescentes e uma criança, durante um assalto a cooperativa Agropecuária Manoki, localizada na Terra Indígena Irantxe, em Brasnorte, a 580 km de Cuiabá, na noite da última quarta-feira (30). Os criminosos fugiram levando uma grande quantidade de defensivos agrícolas, notebook, celulares, cadeiras, panelas e alimentos.

Conforme o boletim de ocorrência, estima-se que o prejuízo é de mais de R$ 150 mil somente em agrotóxicos.

As vítimas contaram que quatro homens armados invadiram o local e as renderam. Elas foram trancadas em um quarto e amarradas com lençóis.

Escritório da cooperativa estava revirado e teve móveis e objetos levados pelos assaltantes — Foto: Divulgação

Escritório da cooperativa estava revirado e teve móveis e objetos levados pelos assaltantes — Foto: Divulgação

Durante a ação, que durou horas, os assaltantes levavam água, café e bolacha para as vítimas que estavam presas no quarto.

De acordo com o relato dos indígenas à polícia, a quadrilha usou um caminhão para fazer o transporte dos produtos roubados e, em seguida, fugiram em um carro.

Polícia Civil esteve no local e investiga o caso — Foto: Divulgação

Polícia Civil esteve no local e investiga o caso — Foto: Divulgação

Os indígenas continuaram presos no quarto até amanhecer o dia. Ao perceberem que os criminosos já haviam saído do local, uma das vítimas conseguiu se soltar e pedir ajuda em uma aldeia vizinha.

Os suspeitos do crime não foram identificados. A Polícia Civil investiga o caso.

Cooperativa para o sustento das famílias

A Agropecuária Manoki foi criada pelos próprios indígenas para gerir as lavouras da região. Além de produzirem para o consumo das famílias locais, eles conseguem comercializar os produtos e gerir o próprio dinheiro para melhorias nas 10 aldeias que compõem a TI.

A ideia de expandir a produção surgiu em 2004, quando foi criada a primeira lavoura mecanizada na região, em uma área de 1.000 hectares. Desde então, eles passaram a produzir soja, milho, girassol e, recentemente, feijão mungo, feijão azul, feijão caupi e pipoca.

Na região, vivem cerca de 400 indígenas, que trabalham juntos para expandir a produção local.

ARTIGOS RELACIONADOS
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes