sábado, 24/02/2024
Banner animado
InícioAGRONOTÍCIASMeio AmbienteMais um terremoto atinge o mesmo município brasileiro

Mais um terremoto atinge o mesmo município brasileiro

Banner animado

Oito depois após um terremoto de 6,6 graus de magnitude, o maior da história do Brasil, cidade no Acre voltou a sofrer forte abalo sísmico

Flavia Correia 

Créditos: klee048 – Shutterstock/ Montagem: Olhar Digital

Olhardigital

Oito dias depois de registrar o maior terremoto da história do Brasil, o município de Tarauacá, no interior do Acre, teve um novo tremor de terra. Por volta das 4h da manhã (pelo horário local) deste domingo (28), um abalo sísmico de magnitude 6,5 na Escala Richter foi detectado pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos.

De acordo com a agência, que relatou o episódio no X (antigo Twitter), o epicentro do terremoto foi a 66 km da zona urbana de Tarauacá, sem qualquer ocorrência de danos, devido aos 609,5 km de profundidade em que ocorreu.Play Video

Em declaração ao site G1, George Sand, professor de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP) e membro da Rede Sismográfica Brasileira, explicou que, quanto mais profundo o terremoto, mais a energia provocada por ele é dissipada antes de chegar à superfície. Por esse motivo, um abalo a 600 km de profundidade é menos sentido por quem está na região. 

Segundo Sand, os tremores que provocam estragos são os registrados a uma profundidade entre 30 e 50 km do solo. “A região amazônica próxima à Cordilheira dos Andes registra tremores dessa magnitude (6,6), com profundidades que variam de 300 a 600 km. Esses terremotos acontecem porque a região concentra duas placas tectônicas. O abalo ocorre quando a placa de Nazca, que é mais pesada, mergulha sob a placa sul-americana”

O que é a escala Richter, que classifica os terremotos

A escala Richter é a base que define a magnitude dos terremotos, dando uma noção exata sobre o potencial dos abalos sísmicos que acontecem na litosfera – uma camada com cerca de 100 km de espessura em média, formada pela crosta e o manto terrestre (saiba mais sobre as camadas do planeta neste texto).

Conforme explicado no site Mundo Educação, do UOL, o cálculo da Escala Richter costuma estar associado à distância do hipocentro (ponto exato do tremor no subsolo) ao epicentro (ponto em que o tremor é sentido mais fortemente na superfície), além do tempo de manifestação e a sua amplitude. 

No entanto, para casos em que os terremotos ocorrem em grandes profundidades, há outros meios de cálculo, tendo em vista que suas consequências na superfície, conforme mencionado acima, são, geralmente, pequenas. De modo geral, podemos considerar como graves os abalos sísmicos acima de 6.

Escala Richter:

  • Magnitude menor que 2: tremores captados apenas por sismógrafos (aparelho que registra os movimentos do solo);
  • Magnitude entre 2 e 4: impacto semelhante à passagem de um veículo grande e pesado;
  • Magnitude entre 4 e 6: capacidade de quebrar vidros, provocar rachaduras nas paredes e deslocar móveis;
  • Magnitude entre 6 e 7: causa danos em edifícios e destruição de construções frágeis;
  • Magnitude entre 7 e 8: causa danos graves em edifícios e grandes rachaduras no solo;
  • Magnitude entre 8 e 9: provoca a destruição de pontes, viadutos e quase todas as construções;
  • Magnitude maior que 9: provoca a destruição total com ondulações visíveis.

A escala não é linear, mas logarítmica: para cada unidade que sobe, o movimento do solo aumenta 10 vezes, e a energia liberada sobe 32 vezes. Bohon compara isso com quebrar fios de espaguete. 

“Se quebrar um fio de espaguete é o equivalente a um terremoto de magnitude 5, você teria que quebrar 32 fios para liberar a energia de um terremoto de magnitude 6”, disse ela. “Nesta escala de espaguete, uma magnitude 7 é como 1.024 fios quebrando, uma magnitude 8 é como 32.768 fios, e uma magnitude 9 é como 1.048.576 fios”.

Há, é claro, catástrofes planetárias que teoricamente poderiam levar a terremotos muito massivos: uma colisão com um asteroide, por exemplo – alguns cientistas acham que o impacto de asteroide que matou os dinossauros não-aviários há 66 milhões de anos desencadeou terremotos com magnitudes de dois dígitos, embora seja complicado certificar o tamanho.

“Em escalas de tempo de bilhões de anos, a Terra certamente poderia ver tal desastre”, disse Houston. “Mas as chances de algo maior do que os 9 médios em magnitude dentro de uma expectativa de vida humana são muito baixas”. 

ARTIGOS RELACIONADOS
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes