quarta-feira, 28/02/2024
Banner animado
InícioSocialCIDADANIA MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO FAZ INSPEÇÃO: Companhia Hidrelétrica Teles Pires e...

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO FAZ INSPEÇÃO: Companhia Hidrelétrica Teles Pires e terceirizada são acionadas na Justiça por trabalho em condições degradantes

Banner animado

MPT participa de inspeção judicial em aldeias no norte de MT; Companhia Hidrelétrica Teles Pires e terceirizada são acionadas na Justiça por trabalho em condições degradantes

                 O Ministério Público do Trabalho (MPT) em Alta Floresta participou, no fim do mês passado, de uma inspeção judicial realizada em cinco aldeias no norte do estado de Mato Grosso, e verificou que trabalhadores da Alliance Construtora Ltda., empresa contratada pela Companhia Hidrelétrica Teles Pires S/A, estão submetidos a condições de trabalho degradantes.

             

             Os trabalhadores foram contratados para construção de farinheiras nas aldeias Tukumã, Minhocuçu, Coelho e São Benedito e de uma casa de apoio e farinheira na aldeia Kururuzinho, todas pertencentes à comunidade indígena Kayabi, localizada na fronteira entre Mato Grosso e Pará. As obras estão inseridas nas chamadas “medidas compensatórias”, que visam amenizar os impactos socioambientais causados na região com a construção e operação da usina.

              A inspeção ocorreu por determinação judicial, para análise do pedido de antecipação de tutela efetuado pelo MPT, que englobava, dentre outros, a interdição da obra. O procurador do Trabalho Marcel Bianchini conta que ajuizou a ação no início de maio contra as empresas, tanto a prestadora e como a tomadora, e obteve uma liminar para obrigá-las a corrigir as irregularidades no meio ambiente de trabalho, sob pena de pagarem multa diária de 30 mil reais. A juíza Gisleine Maria Pinto, entretanto, negou na época o pedido de interdição das obras.

“Em razão de pedido de reconsideração da decisão feito pelo Ministério Público do Trabalho, a juíza Titular da Vara do Trabalho de Alta Floresta, Janice Schneider Mesquita, determinou inspeção judicial para averiguar as condições alegadas na petição inicial. Com a inspeção judicial, a primeira decisão poderá ser reavaliada”, explica.

O MPT já havia constatado, por meio da análise de fotos e depoimentos, que a Alliance não oferecia as condições mínimas de trabalho aos empregados: utilizava transporte irregular, tanto terrestre quanto fluvial, fornecia alimentação precária e/ou estragada, não disponibilizava água potável, descumpria todas as normas relativas às áreas de vivência, não concedia descanso semanal remunerado e fraudava os cartões de ponto. Alguns trabalhadores chegaram a afirmar que só não passaram fome porque os índios colaboravam doando comida.

“Na inspeção verificamos que a situação continua a mesma. Existe um alojamento, adaptado em uma casa indígena, na aldeia polo de Kururuzinho, onde se verificam algumas irregularidades, como a ausência recorrente de água para o banho. Entretanto, as situações mais graves são nas demais aldeias, onde sequer há banheiros e água potável aos trabalhadores”, relata o procurador Marcel Bianchini.
Morte

No dia 29 de fevereiro, dez pessoas estavam sendo transportadas em um barco de pesca para o local de uma das obras quando a embarcação virou. Leonildo Marques, de 44 anos, morreu. Segundo depoimentos de sobreviventes, não havia coletes salva-vidas para todos os trabalhadores durante o trajeto de cerca de 80 km pelo rio Teles Pires.

O barco tem capacidade para seis ou sete pessoas, mas além de carregar o dobro de tripulantes, estava ocupado por toneladas de materiais, entre ferragens, telhas, sacos de cimento, tijolos, mantimentos e eletrodomésticos.

Em depoimento, Jairo de Jesus Bonfim conta que foi salvo por se agarrar a um freezer que estava sendo transportado junto com os trabalhadores no barco. “Nós descemos em questão de duas horas na água, sempre conversando com o outro para não entrar em desespero, não virar o freezer, tentar acalmar, foi onde a gente conseguiu sair fora da correnteza e pegar mais o manso do rio”, relata.

Ação

 

Na ação, o MPT requer ainda a condenação da Companhia Hidrelétrica Teles Pires S/A e da Alliance em R$ 1, 1 milhão por danos morais coletivos. O montante corresponde a 20% do valor do contrato firmado entre as duas, que é de aproximadamente 5,7 milhões de reais.

“Seja no transporte de trabalhadores por terra ou pelo rio, nas áreas de vivência ou por intoxicação alimentar, o acidente era só questão de tempo, o que traz o dolo eventual das rés, que assumiram todos os riscos acidentais de seus trabalhadores, preferindo o lucro e as metas do empreendimento em detrimento da segurança, saúde e bem-estar de trabalhadores, em verdadeira negação a direitos fundamentais”, concluiu o procurador Marcel Bianchini.

 

Fotos: PTM de Alta Floresta

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes