terça-feira, 05/03/2024
Banner animado
InícioAGRONOTÍCIASAgronegócioNovas cultivares de feijão-de-corda superam qualidade de grãos das atuais

Novas cultivares de feijão-de-corda superam qualidade de grãos das atuais

Banner animado
feijão

Grãos com alto valor de mercado, nutritivos, saborosos e com cozimento rápido estão entre os principais atributos das novas cultivares de feijão-de-corda, ou feijão-caupi que a Embrapa recomenda.

As cultivares BRS Bené (grãos marrons graúdos), BRS Guirá (grãos pretos), BRS Utinga (grãos brancos graúdos) e BRS Natalina (tipo “manteiguinha”) são plantas com elevado potencial produtivo, sanidade e bom porte e arquitetura.

Resultado de 40 anos de pesquisa em melhoramento genético de feijão-caupi, também conhecido como feijão da colônia, as cultivares BRS Bené, BRS Utinga e BRS Guirá apresentam porte ereto, semiereto e semi-prostrado, que se ajustam bem à colheita mecanizada e favorecem também a colheita manual. E a BRS Natalina, a primeira cultivar do tipo “manteiguinha” do Brasil.

“Trata-se de um importante aporte tecnológico para a agricultura em escala familiar e empresarial do Pará e de estados da Região Nordeste”, afirma o agrônomo Francisco Freire Filho, pesquisador aposentado da Embrapa Amazônia Oriental, que liderou o trabalho de melhoramento genético das cultivares.

Ele ressalta que as novas cultivares têm apelos comerciais diferentes e atendem às demandas de consumo e produção.

“Os grãos têm excelente qualidade, bom tempo de panela e bons níveis de proteína, ferro e zinco. Todas elas têm níveis de produtividade bem superior aos materiais atualmente utilizados no campo e se ajustam tanto para colheita mecanizada quanto manual”, detalha Freire.

Grande trabalho de seleção

O trabalho de melhoramento genético de feijão-caupi na Embrapa soma mais de quatro décadas.

Para o estabelecimento do banco de recursos genéticos desse grão, que é uma coleção de sementes, os pesquisadores realizaram ao longo desse tempo um extenso trabalho de coleta de sementes nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, e realizou intercâmbio com outros países.

A coleção possui diferentes tipos de feijão-caupi com variação em cores e formatos, potencial produtivo, além de resistência a pragas e doenças.

“Nesta jornada, foram realizados centenas de cruzamentos, obtidas milhares de linhagens, das quais foram selecionadas dezenas de cultivares,” conta o pesquisador da Embrapa Rui Alberto Gomes Junior.

Os cientistas focaram em cultivares que apresentassem qualidade de grão, produtividade, porte e arquitetura da planta e resistência a doenças.

O trabalho, como relata o pesquisador da Embrapa João Elias Rodrigues, envolveu uma equipe multidisciplinar das áreas de melhoramento genético, solos, fitossanidade e agroindústria.

Bonitos, saborosos e de rápido cozimento

A qualidade do grão foi o principal objetivo do melhoramento genético do feijão, segundo o Gomes.

Outros pontos importantes são o sabor e o tempo de cozimento, “porque além de bonito, o feijão tem que ser gostoso e cozinhar rápido”, completa.

Aliado ao aspecto visual e sabor, os grãos das novas cultivares apresentam altos teores médios de proteína, ferro e zinco.

Em relação às características físico-químicas das cultivares, foi observado um alto teor de proteína.

“Mais de 20% de proteína é um bom teor para alimentos em geral. O feijão-caupi é uma excelente fonte de proteínas vegetais, além do ferro e zinco”, afirma a pesquisadora. Outro resultado apontado pela análise foi o tempo de cozimento do grão, que permaneceu o mesmo após seis meses de armazenamento, indicando boa vida de prateleira.

As avaliações sensoriais com potenciais consumidores foram realizadas para as cultivares BRS Bené  e BRS Utinga. Na primeira rodada, 67 provadores analisaram a aparência e cor dos grãos crus, e o aroma, sabor, textura e impressão global dos grãos cozidos.

“As duas cultivares tiveram excelentes notas com índice de aceitação acima de 80%”, relata Carvalho. Surpreendeu a pesquisadora o resultado do teste de comparação entre a cultivar BRS Bené e um feijão marrom comum (Phaseolus vulgaris), comercializado nos supermercados. Os provadores não perceberam a diferença entre eles.

Opção segura para a “safrinha”

Com o avanço do melhoramento genético aliado à expansão do cultivo de grãos no Brasil, o feijão-caupi ganhou escala principalmente no estado de Mato Grosso, que é o maior produtor nacional desse grão, ao integrar a produção onde a soja é a cultura principal, na chamada “safrinha”.

O caupi entra como segundo cultivo realizado em mesma área e mesmo ano agrícola. Isso porque o ciclo precoce e o porte ajustado para a colheita mecanizada tornaram o caupi uma alternativa competitiva na produção de grãos.

“As cultivares de feijão-caupi têm ciclo de 70 a 75 dias, cerca de um mês a menos que as cultivares mais precoces de milho. Elas têm um potencial muito grande para a safrinha da soja o Pará, principalmente na fase final de plantio quando a cultura do milho tem um risco mais elevado ou em condições onde o intervalo de chuvas é limitado para o milho”, explica o pesquisador Rui Gomes.

Ele destaca ainda que o porte e arquitetura da BRS Bené e BRS Utinga são muito bem ajustados para a colheita mecanizada. “São atualmente as cultivares de melhor aptidão para essa operação. É possível utilizar o mesmo maquinário da soja, por exemplo, com baixíssima perda de grãos”, afirma o pesquisador. A cultivar BRS Guirá, continua Gomes, apesar do porte semi-prostrado, possui boa arquitetura, com elevada posição de vagens, sendo uma boa opção também para a colheita mecanizada.

Desafios do mercado

Das quase 10 mil toneladas que a empresa paraense Gama Lopes vende anualmente de feijão, apenas 1,2 mil toneladas são de feijão-caupi, entre o tradicional e do tipo “manteiguinha”.

Apesar de ocupar pouco mais de 10% das vendas, o caupi tem potencial para crescer, segundo Fabrício Campos de Sá, sócio-diretor da empresa.

“São dois os grandes desafios do mercado de feijão-caupi no estado: o primeiro é aumentar consumo, pois o paraense não tem o hábito de consumir esse grão; e o segundo é aumentar a produção”, cita o empresário.

A Gama Lopes atua no mercado paraense há mais de 30 anos com três tipos de feijão comum (phaseolos) e dois de feijão-caupi. Todo o feijão comum ensacado na empresa vem de outros estados como Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Santa Catarina. “Do feijão que vendemos, o Pará só produz o caupi tradicional e o tipo manteiguinha”, acrescenta Campos de Sá.

Para ele, o feijão “manteiguinha” tem um nicho de mercado importante: a alta gastronomia. “Mas é preciso profissionalizar e ampliar a produção desse grão no estado”, ressalta.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes