domingo, 21/04/2024
Banner animado
InícioEmprego & CiaPISO DA ENFERMAGEM REDE PRIVADA: TRT/MT fará na próxima segunda-feira(06) audiência com...

PISO DA ENFERMAGEM REDE PRIVADA: TRT/MT fará na próxima segunda-feira(06) audiência com trabalhadores

Banner animado
Foto da reunião de mediação sobre o piso da enfermagem

O Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (MT) fará, na próxima segunda-feira (6), uma reunião com profissionais da enfermagem para tratar da implementação do piso salarial da categoria na rede privada de Mato Grosso. A audiência será no auditório do Tribunal Pleno, às 13h30, e o objetivo é esclarecer os trabalhadores sobre a proposta em discussão que prevê o pagamento da diferença na forma de abono.

A ideia da reunião com a categoria surgiu durante audiência de mediação realizada nessa segunda-feira (30) no TRT com representantes dos sindicatos de estabelecimentos de saúde (Sindesmat) e dos profissionais de enfermagem (Sinpen). O encontro foi presidido pela desembargadora Adenir Carruesco, em atuação pelo Cejusc de 2º grau, com o apoio das juízas Leda Borges (coordenadora do Cejusc de 1º grau) e Michelle Saliba (auxiliar da Presidência).

A mediação realizada no TRT ocorre a pedido do Sindesmat. A entidade procurou o Tribunal para auxiliar no processo de construção da Convenção Coletiva de Trabalho para os anos de 2023 e 2024 e aponta o grande impacto que a implementação imediata do piso traria nas empresas, em especial as de pequeno porte, com riscos de demissão em massa. Até o momento, já foram realizadas três audiências no Tribunal.

A desembargadora Adenir Carruesco enfatizou a necessidade de esclarecer todos os pontos discutidos. “Um dos nossos princípios da conciliação é a questão da decisão absolutamente informada. E eu entendo que sentando, conversando, debatendo, a gente possa encontrar a melhor solução”, destacou a magistrada.

O piso salarial dos enfermeiros está previsto na Lei 14.434/2022. O que está sendo debatido atualmente é a forma como ele vai ser implementado. Até o momento, a sugestão é para que esse acerto seja feito na forma de abono e a diferença passe a ter natureza salarial a partir de março de 2025, mantendo-se os benefícios previstos nas convenções coletivas vigentes.

Caso o pagamento da diferença salarial seja definido como de natureza indenizatória, garante-se que o valor seja pago aos trabalhadores o quanto antes, com a redução do impacto para as empresas. “Estamos vendo ideias que possam contemplar os interesses dos estabelecimentos, que esse impacto seja um pouco menor para que não haja demissão em massa, e para que os trabalhadores consigam implementar o direito deles, que já foi reconhecido pelo Congresso Nacional”, afirmou a desembargadora.

Da Assessoria TRT/MT

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes