domingo, 14/04/2024
Banner animado
InícioNotíciasSaúdePor irregularidades Hospital de Sinop administrado por OSS sofre intervenção do...

Por irregularidades Hospital de Sinop administrado por OSS sofre intervenção do Estado

Banner animado

Interventor foi nomeado para gerir Hospital Regional de Sinop (Foto: Reprodução/TVCA)

Interventor foi nomeado para gerir Hospital Regional de
Sinop (Foto: Reprodução/TVCA)

 

Pollyana AraújoDo G1 MT

Essa é a 4ª intervenção feita neste ano em unidades administradas por OSS.
Má qualidade no atendimento e na alimentação teriam motivado.

                       Indícios de irregularidades no atendimento aos pacientes do Hospital Regional de Sinop, a 503 km de Cuiabá, o governador de Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), nomeou um interventor para administrar a unidade pelos próximos seis meses. Entre as irregularidades identificadas pela Auditoria-Geral do Estado (AGE) e pela Vigilância Sanitária estão a má qualidade do atendimento prestado e da alimentação. Além disso, as decisões judiciais em favor de pacientes não estariam sendo devidamente cumpridas. Atualmente, o hospital é administrado pela Fundação de Saúde Comunitária de Sinop. O G1 tentou, mas não conseguiu manter contato com a organização social.

             O interventor Manoelito da Silva Rodrigues, diretor-geral do escritório regional de Saúde do município, afirmou que serão feitas algumas mudanças, com base nos relatórios da Auditoria e da Vigilância Sanitária, para melhorar o atendimento na unidade. “Terei a missão de acompanhar de perto o trabalho desempenhado pela OSS [Organização Social de Saúde]”, disse.

              No decreto divulgado no Diário Oficial do Estado que circula nesta quinta-feira (6), o governador justifica a necessidade de fazer a intervenção para regularizar o gerenciamento do hospital. Em 30 dias, deve ser instaurado procedimento administrativo para apurar as irregularidades identificadas pelos órgãos fiscalizadores. Entre as atribuições do interventor estão a gestão dos recursos financeiros destinados à unidade, bem como contratar e demitir funcionários.

            Três hospitais continuam sendo administrados por Organizações Sociais de Sáude (OSSs), em Sorriso, Cáceres e Rondonópolis. Outros três, incluindo Sinop, estão sob intervenção do estado e a tendência, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES) é o rompimento do contrato com as instituições.

                   Desde maio deste ano, os hospitais regionais de Alta Floresta e Colíder, que eram administrados pela Instituto Pernambucano de Assistência e Saúde (Ipas), também estão sendo geridos pelo estado após intervenção por suspeita de desvio de recursos, atrasos no pagamento de salário dos médicos e enfermeiros e falta de licenças e alvarás de funcionamento. Por esses motivos, as unidades haviam sido notificadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

              Após intervenções, o governo rompeu neste ano dois contratos de gestão do Hospital Metropolitano de Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, e da Farmácia de Alto Custo. No ano passado, medicamentos vencidos foram encontrados no almoxarifado da Central Estadual de Abastecimento de Insumos de Saúde.

LABORATÓRIO S JOSÉ

 

 

 

 

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes