terça-feira, 16/04/2024
Banner animado
InícioEmprego & CiaRelatório aponta adoecimento mental de jornalistas no Centro-Oeste

Relatório aponta adoecimento mental de jornalistas no Centro-Oeste

Banner animado

Foram ouvidos mais de 500 profissionais, das quatro unidades federativas da região, que ajudaram a traçar o perfil apresentado na publicação

Um relatório publicado recentemente pela Rede de Estudos Trabalho e Identidade dos Jornalistas (RETIJ/SBPJor) aponta que, acompanhando o cenário nacional, jornalistas da região Centro-Oeste estão vivendo nos últimos anos um processo acelerado de adoecimento mental. Intitulado “Perfil do Jornalista do Centro-Oeste 2023” , o documento traz ainda dados relevantes sobre a categoria na região.

Foram ouvidos mais de 500 profissionais, das quatro unidades federativas da região, que ajudaram a traçar o perfil apresentado na publicação. O trabalho de descrição dos dados dos jornalistas foi produzido de forma remota, por jornalistas, pesquisadores e docentes de diversos estados.

Como conta a professora Fernanda Vasques Ferreira, da Universidade de Brasília (UnB), os relatos de estresse, apatia e adoecimento mental geral foram bastante recorrentes. “Uma questão que nos saltou aos olhos que é a precarização como um fenômeno extremamente presente, complexo e multifacetado que em certa medida inclui as mutações profissionais que aconteceram com o advento da internet e do jornalismo digital, as reconfigurações desse ecossistema midiático pensando em uma perspectiva global. O que percebemos é uma insatisfação e apatia profissional”, disse em entrevista ao PNB Online.

Relatório aponta adoecimento mental de jornalistas no Centro-Oeste (Foto: Agência Brasil)

Conforme explica a professora, muitos deles relataram quadros de stress, dores corporais, falta de apetite e sono. O quadro acontece de maneira conjunta ao fenômeno da redução dos postos de trabalho formal, aumento da jornada de trabalho, aumento das exigências para as vagas de emprego e contratos precários. Há, além disso, muitas vezes a mistura entre trabalho e lazer.

Houve, entretanto, a constatação de que, apesar dos problemas enfrentados, a condição de trabalho é melhor na região Centro-Oeste em comparação com o cenário nacional. Especificamente, os jornalistas na região desfrutam de vínculos mais estáveis, incluindo empregos celetistas e cargos públicos, além de salários mais atrativos e benefícios superiores.

Conforme destaca Ferreira, as descobertas do relatório apontam para a necessidade de pesquisa, análise e reflexão não apenas no âmbito acadêmico, mas também por parte das instituições e sindicatos que representam os jornalistas, bem como no contexto organizacional das empresas de comunicação.

“No Centro-Oeste há uma contradição clara. O estudo aponta para uma categoria profissional em processo de adoecimento mental, mas com remuneração melhor que em outras regiões, levantando questões sobre o grau de percepção dos jornalistas em relação às condições em que estão inseridos. A apatia e o desânimo observados podem estar contribuindo para uma letargia na busca de melhores condições de trabalho”, afirma.

O relatório é assinado pelos pesquisadores Samuel Pantoja Lima (UFSC), Fernanda Vasques Ferreira (UnB),  Gabriela Silva Meneses (UnB), Nathalia Lopes da Silva (UFMS), Noêmia Félix da Silva (PUC-GO) e Rogério Borges (PUC-GO)

Confira o estudo completo neste link.

Imagemm ilustrativa destacada/reprodução internet

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes