domingo, 03/03/2024
Banner animado
InícioVida e SaudeSAÚDE CARDIOVASCULAR: o cuidado com a qualidade...

SAÚDE CARDIOVASCULAR: o cuidado com a qualidade das gorduras na alimentação

Banner animado

 Pesquisadores das Universidades de Harvard e Tufts observaram que a substituição de gorduras saturadas por gorduras polinsaturadas diminuem o risco de doença cardíaca coronária 

    coração                    O baixo consumo de gorduras insaturadas e a alta ingestão de gorduras saturadas e trans são, em muitos casos, fatores importantes para o aumento do risco de morte por doença cardíaca coronária (DCC), segundo pesquisa feita por estudiosos de Harvard e Tufts. As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte em todo o mundo, com 30% dos óbitos globais, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), e seu risco é determinado, principalmente, pela dieta e estilo de vida do indivíduo.

Segundo a pesquisa americana, 711.800 mortes anuais por doença cardíaca coronária (DCC) podem ser relacionadas à alta ingestão de carboidratos ou gordura saturada (SAFA) em detrimento do consumo de gorduras poli-insaturados omega-6 (PUFA). Esse dado representa 10,3% da mortalidade total por DCC no mundo, do qual 3,6% é atribuído à ingestão de SAFA ao invés de PUFA. O consumo de gordura trans (TRANS) foi estimado que cause 537.200 mortes por DCC por ano no mundo, sendo responsável por 7,7% das mortes por DCC globais.

O estudo indica que a diminuição da ingestão de SFA promove benefícios cardiovasculares somente quando substituída por PUFA. A pesquisa também sugere que o aumento no consumo de óleos vegetais ricos em ômega-6 podem trazer importantes benefícios na saúde pública. Dados dos anos de 1990 e 2010 de 186 países foram utilizados para esse estudo, que analisou encargos globais, regionais e nacionais de morte por doença cardíaca coronária.

A Prof. Doutora Roberta Lara Cassani do Instituto de Nutrição Profa. Dra. Roberta Cassani explica que a gordura poli-insaturada, como ômega 6, é um tipo de nutriente que o corpo humano não consegue produzir e a única forma de obtê-lo é por meio da alimentação. “Uma alimentação com quantidades adequadas deste nutriente reduz o risco de ataque cardíaco e, quando seu consumo substitui as gorduras saturadas e o excesso de carboidratos, especialmente os de rápida absorção na dieta, a redução do risco é ainda mais significativa. Alimentos que são fontes desse nutriente são peixes gordurosos, óleos vegetais (soja, canola, girassol, de oliva) e derivados, como o creme vegetal”.

Substituir a manteiga pelo creme vegetal, que contém ômega 6, é uma boa maneira para começar uma rotina mais equilibrada. Segundo a Dra. Roberta, criar o hábito de verificar a quantidade e qualidade dos tipos de gordura presentes nos rótulos de alimentos e escolher aqueles com os menores teores de gorduras saturadas e sem gorduras trans, também é importante. “Ao consumir leites e derivados é aconselhável dar preferência aos com baixo teor de gordura, como os leites desnatados ou semidesnatados, iogurtes/bebidas lácteas e queijos com menor quantidade de gordura, como o cottage ou ricota”.

Está comprovado que o estilo de vida do indivíduo interfere na saúde cardiovascular. Sabemos que não é fácil trabalharmos com mudanças de atitudes, entretanto, hábitos simples e possíveis de serem adotados podem fazer toda a diferença, como praticar atividade física regularmente, não fumar, realizar exames de rotina, além de ter uma alimentação equilibrada e variada.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes