terça-feira, 05/03/2024
Banner animado
InícioNotíciasPolíticaServidores não aceitam contraproposta apresentada pelo governo e mantêm greve

Servidores não aceitam contraproposta apresentada pelo governo e mantêm greve

Banner animado

         GREVE SERVIDORES    Imagem reprodução web

            A greve dos Servidores Públicos do Estado do Mato Grosso continua, eles não concordam com proposta do Governo apresentada para pagamento do reajuste geral anual (RGA) dos servidores públicos, na quinta-feira (2), para o Fórum Sindical, visando por um fim  na greve que vem causando muitos problemas a população mato-grossense. A  proposta do Estado é de   pagar 2% de reajuste em setembro, 2% em janeiro de 2017 e mais 2% em março do mesmo ano, mas não foi aceita pelas categorias.


                  De acordo com o secretário chefe da Casa Civil, Paulo Taques, os sindicatos irão levar a proposta para os sindicalizados e trazer a resposta para o governo.

“Essa é a proposta que o governo pode pagar. Somente Mato Grosso e o estado do Paraná são os únicos estados da Federação que estão negociando o pagamento do RGA. Nós fizemos essa proposta e se eles aceitarem, mais pra frente até poderemos discutir outros acordos. Mas, no momento, a proposta é essa”, disse.


Paulo Taques ainda disse que o pagamento do RGA cheio, no valor de 11,28%, é impraticável nas condições econômicas em que se encontram as finanças públicas. “Se for pago, mesmo que de forma parcelada, o salário do servidor público corre sério risco de atrasar e de ser pago de forma parcelada”, ressaltou.


“O governador Pedro Taques está tomando essa decisão de oferecer essa proposta de acordo para preservar o pagamento em dia do salário do servidor público”, destacou.

                  O secretário ainda disse que medidas judiciais devem ser tomadas para assegurar o atendimento dos serviços essenciais como saúde e segurança pública. “A partir de segunda-feira o governo irá exigir o seu direito. Mas, isso é uma coisa que deverá ser avaliada na próxima semana”, ponderou.

 

Situação crítica

Já o secretário de Fazenda, Paulo Brustolin, informou que após reunião em Brasília, a previsão é que em todo o país possa haver um período de congelamento de salários. “O Estado de Mato Grosso apesar de tudo isso, ainda faz a proposta para pagamento”, frisou.

 

Segundo o secretário de Gestão, Júlio Modesto, o impacto de apenas 2% no orçamento deste ano será enorme e o governo terá de se desdobrar para quitar as folhas de pagamentos.

 

Posição do Fórum Sindical

O representante do Fórum Sindical, James Rachid, pediu que o governo repense a situação, porque, de acordo com ele, “é sempre o servidor do executivo que paga o pato”.

 

“Vamos fazer outra análise do movimento. Não estamos aqui para prejudicar niguém. Só queremos o que é legal e está na Constituição Brasileira e em uma lei estadual. A greve continua normal”, ressaltou.

 

Sobre a possibilidade de que a greve seja judicializada, o representante sindical disse que o fato é normal. “Ele não pode ir contra a Constituição Brasileira e tem uma lei estadual. Ele vai contra a lei, contra a Assembleia e justo um governo que é legalista? Não acreditamos que eles vão fazer isso”, destacou.

 

Da Redação / Com LAICE SOUZA-blogdoantero

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes