quarta-feira, 28/02/2024
Banner animado
InícioAGRONOTÍCIASAgronegócioTecnologia ajuda a manter ritmo das exportações de feijão-caupi

Tecnologia ajuda a manter ritmo das exportações de feijão-caupi

Banner animado
feijão-caupi

Em 2022, o Brasil exportou 46.353 toneladas de feijão-caupi (feijão-de-corda), segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC).

Esses números representam 34,07% das exportações de feijão do Brasil.

Estados Unidos, Afeganistão, Paquistão, Canadá e China foram os países que mais compraram o produto brasileiro, segundo o MDIC.

De acordo com as informações da Embrapa, o faturamento brasileiro com essas exportações alcançou US$ 30,2 milhões.

No ano passado, segundo o Instituto Brasileiro Brasileiro de Feijão e Pulses (Ibrafe), 629,3 mil toneladas de feijão-caupi (Vigna unguiculata).

Bahia, Ceará, Tocantins, Piauí e Mato Grosso foram os maiores produtores na safra 21/22.

No centro do sucesso desses números está o trabalho de pesquisa e transferência de tecnologias da Embrapa, que completará 50 anos no próximo dia 26.

As cultivares de feijão-caupi mais exportadas nos últimos 10 anos, segundo o pesquisador Maurisrael Rocha, continuam sendo a BRS Tumucumaque, BRS Novaera e a BRS Guariba, desenvolvidas pela Embrapa Meio-Norte, que é a unidade que coordena o Programa Nacional de Melhoramento Genético dos Feijões Caupi e Mungo.

Ao longo das últimas cinco décadas, foram desenvolvidas dezenas de cultivares de feijão-caupi, que hoje são plantadas em praticamente todo o Brasil, com destaque para as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Estão a caminho do mercado consumidor brasileiro e, no futuro do internacional, mais quatro cultivares de feijão-de-corda (caupi) e uma de feijão mungo.

“Todas têm excelentes performances e, em breve, estarão à disposição dos consumidores”, diz Rocha, um dos coordenadores do Programa Nacional de Melhoramento Genético.

feijão-caupi feijão-caupi

Foto: Aline Melo/Embrapa

O desbravamento dos cerrados nordestinos

Criada a partir da estrutura física da Estação Experimental “Apolônio Sales”, do Instituto de Pesquisa e Experimental Agropecuária do Nordeste (Ipean), em Teresina, a Embrapa Meio-Norte nasceu, em agosto de 1975, da necessidade do estado em desenvolver o setor agropecuário, principalmente “o sistema agrícola familiar, visando as culturas de feijão-de-corda (feijão-caupi), milho, sorgo granífero, arroz de terras alta e baixa, mandioca e algodão mocó”, lembram os pesquisadores Milton Cardoso e Valdenir Queiroz, um dos pioneiros na Estação Experimental de Teresina (Uepae).

Eles destacam também que o estado precisava desenvolver o setor de fruticultura e avançar na pecuária de pequenos animais, como caprinos e ovinos, e com bovinos.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes