terça-feira, 16/04/2024
Banner animado
InícioGeralMUNDOTODOS MORTOS: Capital da França vive mais um dia de tensão e...

TODOS MORTOS: Capital da França vive mais um dia de tensão e terror

Banner animado
http://zh.clicrbs.com.br

Conheça o perfil dos terroristas mortos na França

Os irmãos Kuachi, suspeitos do ataque a Charlie Hebdo, e Amedy Coulibaly foram mortos nesta sexta-feira em dois ataques em Paris

TODOS MORTOS
Conheça o perfil dos terroristas mortos na França Montagem sobre fotos/Reprodução

Amedy Coulibaly (esquerda), Cherif Kuachi e o irmão Said KuachiFoto: Montagem sobre fotos / Reprodução

Em dois novos ataques após o atentado ao semanário Charlie Hebdo, três suspeitos de terrorismo foram mortos na França nesta sexta-feira. O primeiro ataque ocorreu em uma fábrica em Seine-et-Marne, a nordeste de Paris. Cherif Kuachi, 32 anos, e o irmão Said Kuachi, 34 anos, invadiram o local e fizeram um refém. A polícia entrou na fábrica, e os irmãos foram mortos.

O segundo foi em um centro comercial judeu, em Porte de Vincennes, no leste de Paris. Amedy Coulibaly, 32 anos, invadiu o estabelecimento e fez cinco reféns. Ele contou com a ajuda de sua parceira, Hayat Boumeddiene, 26 anos. Coulibaly foi morto e um refém foi liberado sem ferimentos. Quatro reféns, no entanto, teriam sido mortos, de acordo com o jornal francês Le Figaro. Três deles teriam sido mortos antes da polícia entrar no local. A parceira de Coulibaly, Hayat Boumeddiene, 26 anos, escapou.

O perfil dos criminosos:

— Amedy Coulibaly, 32 anos, francês

O suposto autor do tiroteio fatal de Montrouge, ocorrido quinta-feira de manhã, também suspeito de estar por trás do sequestro de Vincennes, nesta sexta, é chamado de Amédy Coulibaly. Ele foi condenado a cinco anos de prisão em 2013 por seu envolvimento na tentativa de fuga da prisão de Ait Ali Belkacem, do Grupo Islâmico Armado (GIA) condenado à prisão perpétua pelo ataque contra o Museu Train of Orsay em 1995.

Nascido em Juvisy-sur-Orge, no departamento de Essonne, na França, em 27 de fevereiro de 1982, Coulibaly foi o único menino em uma família de 10 filhos. Trabalhou para a Coca-Cola.

O histórico criminal dele mostra diversas ocorrências por roubo,inclusive antes de completar 18 anos, ligação com tráfico e até assalto à mão armada a um banco em setembro de 2002. O crime mais grave foi em 2010, quando foi preso por portar 240 cartuchos de calibre 7,62mm e fotos tiradas em abril com Djamel Beghal Murat, um islamista radical que foi condenado por um ataque à embaixada dos EUA em Paris.

Junto com Coulibaly, Cherif Kouachi (um dos suspeitos do ataque a Charlie Hebdo) também foi investigado pelo ataque à embaixada. No entanto, as provas encontradas não foram suficientes para que fosse preso.

— Cherif Kuachi, 32 anos, francês

Suspeito de invadir a redação do Charlie Hebdo ao lado do irmão, Cherif era um jihadista muito conhecido pelos serviços antiterroristas franceses, condenado à prisão em 2008 por participar de uma rede de recrutamento de combatentes para o Iraque.

Nasceu em 28 de novembro de 1982, em Paris, e ficou sob os cuidados dos serviços sociais entre 1994 e 2000, em um centro educacional da França, pois sua família estava em situação de vulnerabilidade. Enquanto esteve no centro, diplomou-se em Hotelaria e fez um curso de eletrotécnica.

Apelidado de Abu Isen, Cherif integra a chamada “rede de Buttes-Chaumont”. Sob a autoridade do “emir” Farid Benyettu, esta rede permitia enviar jihadistas para incorporá-los ao braço iraquiano da Al-Qaeda, então dirigida por Abu Mussab al Zarkaui.

Detido pouco antes de viajar à Síria e, de lá, ao Iraque, Cherif foi julgado em 2008 e condenado a três anos de prisão, com 18 meses sob liberdade condicional. Dois meses depois, seu nome apareceu no plano de fuga da prisão projetado para o combatente islamita Smain Ait Ali Belkacem, membro do Grupo Islâmico Armado Argelino (GIA), condenado em 2002 à prisão perpétua pelo atentado que deixou 30 feridos na estação Museu de Orsay de Paris, em outubro de 1995. Indiciado no caso, acabou absolvido.

França decreta nível de alerta máximo contra atentados
“Você vê o medo nos rostos das pessoas”, relata jornalista

Sobre Cherif Kouachi, também pesava a suspeita de ser ligado a outra figura do islã radical francês, Djamel Beghal, que passou 10 anos na prisão por preparar atentados. Cherif Kouachi era suspeito de participar de treinamentos com Djamel Beghal.

— Said Kuachi, 34 anos, francês

Irmão de Cherif. Nasceu em 7 de setembro de 1980, também em Paris. Junto com Cherif, viveu sob os cuidados dos serviços sociais entre 1994 e 2000, em um centro educacional da França.

— Os serviços sociais de Paris nos confiaram os dois irmãos porque viviam em uma família vulnerável  — explicou ao jornal La Montagne o chefe do centro, Patrick Fournier, acrescentando que, à época, os dois estavam “perfeitamente integrados e jamais apresentaram problemas de conduta”.

Said era suspeito de ter invadido a redação do Charlie Hebdo ao lado do irmão. A carteira de identidade dele foi encontrada em um carro abandonado pelos foragidos no nordeste de Paris.

Segundo um funcionário americano informou à AFP, no entanto, os irmãos figuram na base de dados americana de suspeitos de terrorismo, incluindo a No Fly List, que proíbe a presença em voos para ou a partir dos Estados Unidos.

Irmão mais velho, Said passou “vários meses” treinando com armamento de guerra com um membro da Al-Qaeda no Iêmen em 2011, antes de regressar à França, disse ao jornal The New York Times um funcionário americano.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes