domingo, 14/04/2024
Banner animado
InícioGeralOpiniãoAbaixo a ditadura...

Abaixo a ditadura…

Banner animado

imagens  divulgação / web

 

                          Manifestantes exaltados pregam a volta da ditadura, “convocam” os militares a assumir o poder e exasperam-se em seus protestos. A turba queima ônibus para chamar a atenção nem se sabe bem para o quê. Oportunistas que, confessamente, querem derrubar o regime, fazem passeatas e invasões, tumultuando a vida da cidade e se confrontando com a polícia quando esta cumpre ordens judiciais de reintegração.

                    Vive-se o sobressalto de, a qualquer instante, ser assaltado por aqueles que querem o dinheiro do nosso bolso, nosso celular ou nosso veículo. Os inconformados com os resultados das eleições ofendem pobres e nordestinos. O governo chama para o diálogo, mas parece já ter as fórmulas prontas. Estamos atravessando uma sucessão de perigosas encruzilhadas.

            Nosso país nunca foi exemplo de democracia. A própria república, que sucedeu ao império, resultou de um golpe militar. Após sua implantação, ocorreram sucessivos golpes entre grupos do próprio sistema até que, em 1930, Getúlio tomou o poder e nele permaneceu por 15 anos. A democracia de 1946 sobreviveu até 64, quando os militares afastaram Jango Goulart sob a alegação de que ele convulsionava o país e queria implantar uma ditadura sindical. Mesmo governando com mão de ferro, não admitiam ser uma ditadura. Ficaram no poder até 1985, quando se implantou a “nova república” que, ao longo dessas quase três décadas sofreu as transformações que todos hoje acompanhamos e vivemos. A título de serem “democráticos”, os governos e governantes desmontaram o Estado, principalmente a ordem e a segurança pública.

            Num regime democrático, governa quem ganha a eleição. Aos que perdem resta o trabalho – não menos importante – de fiscalizar. Infelizmente isso não tem ocorrido no Brasil contemporâneo, onde os governos adquirem os votos parlamentares e a liberdade dos abatidos nas urnas e, com eles formam as fisiológicas bases aliadas. A esperança é que a oposição surgida das últimas eleições, pela margem apertada de votos, exerça a efetiva oposição e fiscalização do poder, exigindo eficiência e honestidade do governo e, com isso, fortaleça a democracia.

            A democracia brasileira, infelizmente, sempre foi frágil. Sob a carapaça democrática, muito se tem feito pela implantação do autoritarismo e do interesse de grupos em prejuízo ao povo, só usado como massa de manobra. É preciso muito juízo aos integrantes do jogo do poder, não dando motivos e nem motivação aos militares para uma nova quebra institucional. Se essa quebra vier a ocorrer, não importa o nome que receba no momento. Será a volta da ditadura…

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes