segunda-feira, 04/12/2023
Banner animado
InícioNotíciasJustiça e VocêAnistia Internacional vai denunciar à ONU assassinato de jovens na Bahia

Anistia Internacional vai denunciar à ONU assassinato de jovens na Bahia

Banner animado

Mães e pais denunciam à Anistia Internacional uma série de crimes de assassinato, sequestro e desaparecimento de jovens negros em Salvador e outras cidades no estado da Bahia (Fernando Frazão/Agência Brasil)Fernando Frazão/Agência Brasil

Por Redação

                              A Anistia Internacional vai denunciar à Organização das Nações Unidas (ONU) a morte e o desaparecimento de jovens na Bahia. Um grupo de pais que tiveram os seus filhos mortos procurou a Anistia nesta quinta-feira (4). Ao órgão, foram entregues relatos da participação policial, sequestros, imobilismo nos inquéritos e os muitos casos que seguem inconclusos.

Alexandre Ciconello, assessor de Direitos Humanos da Anistia Internacional, ouviu o relato de cinco mães e um pai. À Agência Brasil, Ciconello declarou que os jovens negros continuam a ser assassinados sem “nenhum tipo de justiça para esses parentes”.

“Há o caso do Davi Fiuza [na foto em destaque], que desapareceu há 40 dias, depois de uma abordagem da polícia, na qual há testemunhas de que ele foi sequestrado e colocado amarrado em um carro. Outras mães aqui tiveram os filhos assassinados ou desaparecidos, sem nenhum tipo de resposta efetiva do Estado”, disse Ciconello.

A mãe de Davi Fiuza, Rute Silva, relatou como o filho foi sequestrado, no dia 24 de outubro. “Às 7h30, houve uma operação policial no bairro Vila Verde e meu filho, como todo menino curioso, ficou olhando. De repente, ele foi encapuzado, teve amarrado os pés e as mãos e acabou jogado num carro descaracterizado. Havia muitas viaturas da polícia por perto, segundo as testemunhas. Desde então, procurei todos os meios legais e jurídicos, fui ao instituto Médico-Legal, nos campos de desova (de cadáveres), mas nada”, disse.

A Anistia Internacional declarou que o caso de Davi Fiuza e de outros desaparecidos serão levados à ONU e a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (OEA).

Alexandre Ciconello também revelou que há dificuldades institucionais do governo da Bahia em se posicionar sobre o assunto. “Não são casos isolados, há uma dificuldade da corporação, da Secretaria de Segurança Pública, em agir nesses casos, principalmente quando há o envolvimento de policiais. Temos muitos relatos de grupos de extermínio. Os mecanismos de controle da atividade policial na Bahia são muito frágeis. A corregedoria acabou de arquivar o caso do Davi, com testemunhas dizendo que ele foi abordado pela Polícia Militar. É preciso haver mudanças estruturais nas duas polícias”, criticou o assessor de Direitos Humanos da Anistia Internacional.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia informou, especialmente sobre o caso de Davi, que “todas as medidas cabíveis estão sendo tomadas”. Destacou também que várias vertentes são investigadas, inclusive a participação de policiais. De acordo com a Secretaria, os policiais que estavam de plantão no dia do desaparecimento estão sendo ouvidos no inquérito. O órgão também informou que, no período de 2013 a 2014, 104 policiais foram demitidos por conta do trabalho da corregedoria.

Com informações da Agência Brasil

Postada por JL Pindado Verdugo

Foto: Divulgação

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes