sexta-feira, 01/03/2024
Banner animado
InícioNotíciasPolíticaGovernador pede compreensão aos grevistas

Governador pede compreensão aos grevistas

Banner animado

 

Luciana Cury | Gcom-MT 

                         O governador Pedro Taques pediu compreensão aos servidores do Governo do Estado, que entraram em greve nesta terça-feira (31.05) por tempo indeterminado, devido à impossibilidade do Executivo em conceder o Reajuste Geral Anual (RGA) de 11,28%, na folha salarial de maio. Em entrevista ao telejornal ‘Bom Dia Mato Grosso’ na manhã desta quarta-feira (01.06) o governador explicou que o momento econômico difícil que o Brasil enfrenta o impede de realizar o reajuste das perdas inflacionárias de 2015, nos salários dos servidores efetivos da máquina estadual. “Não vou pedir paciência, porque sei que a crise é nacional. Existem quase 12 milhões de desempregados no Brasil. Eu vou pedir a eles a compreensão de que nós estamos em um momento difícil. Não só em Mato Grosso, mas no Brasil”, comentou.

                      A greve, segundo o governador, não conta com a participação de algumas secretarias. Servidores da Secretaria de Fazenda, Infraestrutura, Agricultura Familiar, Empaer e boa parte da Segurança não aderiram a paralisação. “Nós entendemos os servidores. Estamos conversando todos os dias, mas não é o momento de se fazer greve”, emendou Taques.

                       Para reduzir os gastos dos cofres estaduais, o secretário de Estado de Fazenda, Paulo Brustolin e o governador cumprirão agenda nesta quarta-feira em Brasília para discutir a renegociação da dívida dos Estados com a União. “Em razão de obras da Copa pagamos em 2015 cerca de R$ 1,1 bilhão de dívidas. Ainda há mais R$ 5 bilhões pra pagar. Ainda assim oferecemos 5% de reajuste, enquanto que 25 estados nada deram. O restante, 6,28%, se nós reduzirmos para 49% o limite com gasto de pessoal previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal, é possível negociar com os sindicatos”, relatou.

Caso atenda os pedidos dos servidores grevistas e conceda o reajuste de 11,28% ainda em 2016, o governador Pedro Taques explicou durante a entrevista ao vivo que isso provocará atraso dos salários no final do mês ou então o parcelamento, e como consequência será necessário ainda demitir servidores em estágio probatório, ação que prejudicaria a Segurança Pública, área que recebeu o maior incremento em 2015 de novos servidores públicos, com o ingresso de novos bombeiros, policiais militares e civis.

Redução de gastos

Pedro Taques lembrou que nos primeiros meses após a sua posse, ele reduziu o número de cargos comissionados. “É o menor número de funcionários exclusivamente comissionados dos últimos 20 anos. Mesmo se eu demitir os cerca de mil e 500 que ainda há, economizaríamos R$ 5 milhões por mês, 60 milhões por ano. O que não resolve o problema e nós precisamos de servidores comissionados”, comentou.  

Pagamento da folha salarial, custeio mensal da realização dos serviços públicos, pagamento de dívidas, e a transferência de verbas para poderes Legislativo e Judiciário, além do Ministério Público e Tribunal de Contas do Estado (TCE), são hoje os maiores gastos do Governo do Estado. “Para reduzir ainda mais os custos, além dos 25% reduzidos em 2015, estamos em andamento com uma nova reforma administrativa. É preciso fazer investimentos, estradas, hospitais, e já estamos no limite de pagamento do servidor público”, disse o governador Pedro Taques.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes