domingo, 21/04/2024
Banner animado
InícioAGRONOTÍCIASAgronegócio Justiça mantém bloqueio de R$ 73 milhões nas contas da JBS

Justiça mantém bloqueio de R$ 73 milhões nas contas da JBS

Banner animado

 

Empresa tentava reaver valor em troca de uma apólice de seguro

LAICE SOUZA 

Mais uma vez, a empresa JBS. S.A., a Friboi, teve uma derrota na Justiça e não conseguiu liberar o valor de R$ 73 milhões que está bloqueado em suas contas bancárias. A empresa queria que o Judiciário substituísse o valor por uma apólice de seguro.

O pedido já havia sido negado pelo juiz Luiz Aparecido Bertolucci, da Vara Especializa em Ação Civil Pública e Popular. Nesta terça-feira (3), foi a vez da desembargadora Nilza Pôssas de Carvalho negar a solicitação em conjunto com os demais membros da Quarta Câmara Cível, na análise do mérito do recurso proposto pela defesa da empresa.

A relatora do caso entendeu que a troca do dinheiro por uma apólice, que tem a sua renovação condicionada ao desejo do réu, não traz segurança para a garantia de que o valor, caso haja condenação, seja ressarcido aos cofres públicos. Ela já havia se posicionado pela negativa da substituição, quando em janeiro deste ano, analisou o pedido de liminar contido no recurso.

Entenda o caso

A empresa responde a uma ação na Vara Especializada de Ação Civil Pública e Popular por suposta criação fictícia de crédito tributário. Além da empresa, são réus na ação o governador Silval Barbosa (PMDB), o secretário chefe da Casa Civil Pedro Nadaf, além do secretário de Fazenda Marcel Souza Cursi, do economista Valdir Aparecido Boni e o ex-secretário de Fazenda Edmilson José dos Santos. A medida judicial atinge também as contas dos políticos. O bloqueio foi em caráter liminar.

Na denúncia, o Ministério Público Estadual (MPE) responsabilizou os acusados de se utilizarem de normas com efeitos concretos para conferir, sem qualquer contrapartida do contribuinte (JBS), o “gozo simultâneo de três benefícios fiscais”, redução da base de cálculo, crédito presumido e incentivo fiscal via Prodeic. Esses benefícios eram cumulados com o aproveitamento integral e supervalorizado do crédito de ICMS de entrada de R$ 73.563.484,77. De acordo com ação, o valor teria sido fraudado no período de 2008 a 2012.

Dentro desse cenário, o MP entendeu que a edição do Decreto 994-/2012 – que autorizou crédito fiscal – estabeleceu tratamento tributário diferenciado introduzindo alterações no Regulamento do ICMS, sendo direcionado ao perfil econômico da empresa, em detrimento dos demais empresários do ramo, fomentando, por conseguinte, a concorrência desleal. blogdoantero

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes