sábado, 02/03/2024
Banner animado
InícioSocialMulherMato Grosso: o estado da matança de mulheres

Mato Grosso: o estado da matança de mulheres

Banner animado

O número de crimes de feminicídio apresentou uma pequena redução no estado em 2023, mas no contexto da impunidade e da cultura do machismo, aqui a mulher segue sob o domínio do medo constante de morrer assassinada

O ano de 2023 foi marcado por uma série de assassinatos de mulheres em Mato Grosso que deixaram a população indignada e que deveriam envergonhar as instituições de poder. Apesar de uma pequena redução de casos, o estado ainda está entre os campeões de matança de mulheres.

Por mais que se anunciem medidas de vários órgãos, na prática ainda é pouco diante da realidade do estado. Está mais do que na hora de encarar de frente as nossas vergonhas: Mato Grosso tem uma cultura machista de violência e ignorância contra as mulheres, onde matar é o gesto normalizado da ignorância dos homens que expressa esta cultura.

A secretaria de Segurança Pública do Estado divulgou um relatório sobre o quadro de 2023, e apresentou uma avaliação sobre as deficiências a serem superadas dentro da própria instituição policial:

“O relatório realça as regiões que precisam fortalecer as estratégias de prevenção à violência de gênero, aponta deficiências, boas práticas e a responsabilização dos autores nas investigações policiais. É uma análise humanizada dos números, causas e consequências da violência contra as mulheres, com o papel de alertar a instituição sobre a letalidade feminina, bem como para mudança do olhar policial diante das mortes dolosas de mulheres e meninas no estado de Mato Grosso”, apontou o diretor de Inteligência, delegado Juliano Carvalho.

O PROBLEMA DE CULTURA

Na prática, em 2023 tivemos dois episódios emblemáticos que jogaram luz sobre a cultura machista que tem como consequência trágica a matança de mulheres. Primeiro o deputado estadual Gilberto Cattani (PL) gravou vídeos comparando as mulheres com vacas. Mais do que o deboche contra as mulheres de Mato Grosso, o discurso e o vídeo machista do parlamentar, reverberado nas redes sociais, são uma excrescência que alimenta a cultura do machismo. A Assembleia Legislativa passou ao largo da punição exemplar do deputado.

No Poder Judiciário, aconteceu a decisão que favoreceu com prisão domiciliar Carlinhos Bezerra, filho do ex-deputado federal Carlos Bezerra. Apesar das alegações contrárias do Ministério Público, o Poder Judiciário decidiu a favor de conceder o polêmico benefício especial para Carlinhos, um matador de mulher. No estado democrático, a decisão da Justiça, em óbvio, se cumpre, mas também deve ser questionada legitimamente pela sociedade.

Para além de mensagens nas suas redes sociais de sentimentos a cada assassinato de mulher, os políticos devem agir para começar a reverter a cultura do machismo que domina Mato Grosso. A matança envergonha, mas nem de longe se compara à dor dos parentes que perderam suas mães/filhas pelas mãos de um homem assassino. A mudança é lenta, e só pela construção de uma cultura do respeito é que poderemos reverter este quadro bárbaro.

A conferir se 2024 será o ano do começo da mudança cultural, o devido avanço civilizatório. Ou estaremos condenados a repetir a pergunta que não quer calar: até quando?

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes