terça-feira, 16/04/2024
Banner animado
InícioNotíciasJustiça e VocêMinistra do STJ nega pedido de liberdade a ex-deputado José Riva...

Ministra do STJ nega pedido de liberdade a ex-deputado José Riva

Banner animado

   O deputado estadual José Riva, do PSD de Mato Grosso, candidato ao governo do estado. (Foto: Maurício Barbant / ALMT)

José Riva teve mais um pedido de habeas corpus
negado pelo STJ. (Foto: Maurício Barbant / ALMT)

 

 NNNNNNNJosé Riva está preso desde o dia 21 de fevereiro em Cuiabá.
Ex-deputado é acusado de desvio de dinheiro na Assembleia Legislativa.

               

Carolina Holland/ Do G1 MT

    A ministra Maria Thereza de Assis Moura, da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou pedido de habeas corpus ao ex-deputado estadual José Riva, preso há mais de um mês no Centro de Custódia de Cuiabá. A defesa do réu não atendeu as ligações do G1. Ainda cabe recurso da decisão na Corte Especial do próprio STJ. Essa foi a segunda derrota judicial sofrida pela defesa do réu nesta semana. Na última quarta-feira (25), a juíza da Sétima Vara Criminal, Selma Rosane Santos Arruda, que mandou prender o acusado, rejeitou pedido de suspeição para julgar o caso, feito pelos advogados do ex-parlamentar.

                José Riva é acusado de liderar uma quadrilha que teria desviado R$ 62,2 milhões da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, por meio de contratos com cinco empresas que seriam de fachada. A mulher dele, Janete Riva, também é acusada de fazer parte do grupo criminoso, junto com outras 13 pessoas – entre empresários e servidores da ALMT.

                  A reportagem não teve acesso à argumentação da juíza Maria Thereza Moura. A determinação deverá ser publicada somente no dia 31 de março. O  STJ já havia negado seguimento a outro pedido de  habeas corpus e a uma reclamação impetrados pela defesa do réu.

             No dia 17 de março, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) negou, por unanimidade, habeas corpus a Riva. O pedido já havia sido negado anteriormente pelo desembargador Rondon Bassil Dower Filho, também do TJMT.

              Na ação penal oriunda da Operação Imperador, deflagrada pelo Gaeco, José Riva é acusado dos crimes de peculato e formação de quadrilha. Ao mandar prender o ex-deputado, a juíza Selma Rosane Santos Arruda afirmou que o ex-parlamentar é um “ícone da impunidade” e que precisaria ficar preso para que não atrapalhasse o decorrer das investigações.

Sem suspeição
                      A defesa de Riva entrou com pedido de suspeição alegando que havia predisposição da juíza Selma Arruda para julgar o acusado, alegando que a magistrada tem “sólida” relação de inimizade com o réu e também sentimento de repulsa por ele. Ao negar a suspeição, a juíza afirma que não tem nem repulsa e nem simpatia pelo réu, e afirma que qualquer pessoa que tivesse uma ficha parecida com a de Riva poderia ter tido a prisão decretada.

A magistrada ressalta que o ex-deputado é réu em 27 ações penais, não tendo sido condenado em nenhuma delas, e que responde também a uma centena de ações por atos de improbidade administrativa. “E toda sorte, afirmo sem qualquer sombra de dúvidas que não tenho qualquer interesse em prejudicar o réu. Ao contrário, repudio o crime, não as pessoas que o praticam”, disse Selma Arruda na decisão.

Condenações e trajetória
O ex-deputado já tem condenações colegiadas no TJMT e responde a pelo menos 127 ações na Justiça, entre cíveis e criminais. Riva retirou-se da vida pública em fevereiro deste ano, após cinco mandatos consecutivos como deputado estadual. Na ALMT, ocupou os cargos de presidente e primeiro-secretário da Mesa Diretora.

Foi preso em maio de 2014 pela Polícia Federal durante a Operação Ararath, mas passou somente três dias atrás das grades. No mesmo ano, tentou candidatar-se ao governo do estado, mas teve o registro cassado em função da Lei da Ficha Limpa. No lugar dele concorreu a mulher, Janete Riva, que perdeu a eleição.

No final de fevereiro deste ano, o Conselho Deliberativo do extinto Fundo de Assistência Parlamentar (FAP) da ALMT aprovou o pagamento de pensão vitalícia ao ex-deputado. O valor pago deverá ser equivalente a um salário atual de deputado estadual, que é de R$ 25,3 mil.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes