quarta-feira, 21/02/2024
Banner animado
InícioGeralOpiniãoO feirão da infidelidade política

O feirão da infidelidade política

Banner animado

         

        Um “feirão” está funcionando no Congresso Nacional. Deputados aproveitam a janela que os permite mudar de partido até o dia 18 de março, sem perder o mandato, e negociam o passe. Barganham cargos e falam em ofertas de até R$ 2 milhões pela filiação de um novo parlamentar.

              Estima-se que, por esse processo, pelo menos 10% dos 513 deputados federais estarão de partido novo. É, sem dúvida, um show de fisiologismo que demonstra a razão da pouca importância das agremiações partidárias. O mais grave é que esse indigesto mercado também está instalado nas Assembléias Legislativas das 27 unidades federativas (estados e distrito federal) e nas Câmaras dos 5.570 municípios brasileiros.

               A janela que suspende o instituto da fidelidade partidária enseja a negociação espúria, onde o parlamentar é cooptado a, em troca de vantagens, trair a confiança daqueles que nele votaram. Oposicionistas tornam-se situacionistas e vice-versa, tudo ao sabor de interesses que não são o do eleitor, mas da elite política que governa com desprezo àquilo que o povo pensa ou quer.

               Quando a negociação ocorre apenas com cargos dentro das próprias casas legislativas ou nos partidos, o problema é menor. Mas no momento em que parlamentares são pagos com cargos no Poder Executivo, está configurada a imoral (até ilegal) interferência de um poder no outro poder. No momento em que entram recursos financeiros, aí, então, a corrupção é declarada. De onde vêm os recursos para pagar R$ 2 milhões pela mudança partidária de um deputado federal? É preciso saber se esse dinheiro não é de propinas, achaques ao cofre público ou de qualquer outra fonte criminosa. O crime – não importa sua modalidade – jamais poderá financiar as atividades políticas, pois isso destrói o país e a democracia.

               Lamentavelmente, o sistema de coalizão pós-eleitoral e cooptação dos integrantes das minorias está tão arraigado na vida política nacional e a simples possibilidade de reacomodação daqueles que estão desconfortáveis em seus partidos, acaba se transformando em negócio ou negociata. É preciso encontrar uma forma de vida própria aos partidos políticos e acabar com o vício daqueles que ganham as eleições e, em vez de simplesmente governar, lançam-se à ação de comprar o apoio dos que o povo escolheu para ser oposição. Há que se  desmontar o balcão de negócios…

 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) 

aspomilpm@terra.com.br  

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes