sábado, 02/03/2024
Banner animado
InícioGeralOpiniãoOs supersalários no serviço público

Os supersalários no serviço público

Banner animado

               Num dos momentos mais críticos da administração pública nacional, onde o governo federal descumpre seus compromissos, os estaduais restringem repasses aos municípios e as prefeituras deixam de prestar serviços fundamentais à população ou – pior ainda – negligenciam na sua prestação, por não terem dinheiro, ressurge a questão dos supersalários. Levantamentos do Ministério da Fazenda e do Congresso Nacional revelam que mediante o simples cumprimento da norma constitucional que limita os salários do funcionalismo a R$ 33.7 mil mensais (o mesmo que ganha o presidente do Supremo Tribunal Federal), o país economizaria R$ 10 bilhões por ano, o equivalente ao que o governo pretende arrecadar anualmente com a criação da nova CPMF.

               Revela-se que, apesar do limite constitucional, existem procuradores do Ministério Público Federal recebendo R$ 62 mil mensais, funcionários aposentados do Superior Tribunal de Justiça com R$ 100 mil por mês, servidores do legislativo com supersalários e o mesmo ocorre em outras esferas do governo, também nos estados e municípios. Procuradores públicos – ativos e aposentados – alem dos seus salários e gratificações, ainda têm o direito de receber por sucumbência dos processos em que atuaram como representantes do poder público. Médicos e outros profissionais acumulam rendas diversas e, nem por isso, prestam maiores serviços que os demais. É a república dos privilégios, constituídos pelo bom tráfego ou até pela pressão dos profissionais junto aos governantes de diferentes épocas, e pelo aproveitamento sagaz de brechas legais. E eles ficam irritados quando, por alguma razão, têm revelados os astronômicos ganhos vindos do cofre público.

               No ano passado, o governo enviou ao Congresso um projeto que pretendia eliminar os supersalários. Contudo, na tramitação pelas comissões, a proposta já foi descaracterizada e, se for aprovada, os privilégios continuarão. Poucos continuarão vivendo na riqueza enquanto o povo permanecerá cada dia mais miserável e desassistido.

               A Constituição, como lei maior, deveria ser rigorosamente respeitada. Não há razão para alguém – não interessa quem e onde esteja – ganhar dos cofres públicos entre três e quatro salários mínimos por dia, enquanto boa parte da população ganha apenas um por mês e, muitas vezes, menos que isso. É certo que todos os titulares de supersalários têm uma boa justificativa legal para o valor elevado. Mas ela não pode prevalecer, em nome da democracia, da economia e, até da moral. Afinal, também é constitucional o princípio de que todos são iguais perante a lei. Cadê a igualdade?

 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) 

aspomilpm@terra.com.br        

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes