sexta-feira, 01/03/2024
Banner animado
InícioSocialInfra-EstruturaPEIXOTO DE AZEVEDO:Fávaro garante investimentos para incentivar economia no Nortão

PEIXOTO DE AZEVEDO:Fávaro garante investimentos para incentivar economia no Nortão

Banner animado

Mesmo diante da situação financeira delicada do Estado, o vice-governador esclareceu que investimentos em infraestrutura não serão afetados

Durcy Arévalo | Vice-governadoria 

Andre Romeu/Vice-governadoria

                        Em visita ao município de Peixoto de Azevedo, no norte do estado, nesta sexta-feira (10.06), o vice-governador Carlos Fávaro falou sobre os investimentos em logística, da situação financeira nacional e sobre o pagamento do Reajuste Geral Anual do funcionalismo público.

                    “Pegamos o Estado de Mato Grosso num momento muito difíci. Vivemos grandes dificuldades financeiras. Mas o Estado é forte, é rápido na retomada do seu crescimento. Ainda no primeiro ano, nós conseguimos tocar muitas obras e muitos compromissos foram saudados. Nós conseguimos fazer mais de 590 km de rodovias e reconstruir estradas e pontes”, cita Fávaro, garantindo que os investimentos necessários serão cumpridos.

                        Fávaro apontou ainda os investimentos na região, realizado em parceria com os municípios, como a reconstrução das rodovias que ligam Sinop ao município de Cláudia, Santa Carmem, Vera e Feliz Natal. Ele adiantou também que em Peixoto de Azevedo será realizada licitação com empreiteiras para obras em todas as regiões. “Faço um compromisso para a recuperação da capa asfáltica de Guarantã do Norte. O governador deve vir aqui anunciar nos próximos dias o recurso para as obras, que se estenderão até o distrito de União do Norte”, assegurou.

                     Outra ação desenvolvida pelo Estado é a liberação pela Secretaria de Meio Ambiente (Sema) de diversas licenças de instalação e de operação dos garimpos de Peixoto de Azevedo. Para ele, a medida beneficia os cidadãos que necessitam de amparo do Estado e que a atividade é decisiva para a economia local.

O vice-governador disse uma iniciativa do órgão ambiental possibilitou a famílias de um assentamento em Feliz Natal ter, por meio em uma cooperativa, o manejo florestal legalizado, com direito a vender madeira, produzir renda e sustentar suas famílias.

“Eu sei o quanto é difícil começar a vida numa pequena propriedade, ou num assentamento. Nas regiões de madeira, a única alternativa é o desmando do governo federal, que possibilita no máximo um Pronaf. A única alternativa restante é a extração ilegal e venda de madeira para poder sobreviver”.

Reajuste Geral Anual  

Questionado por servidores estaduais presentes, Fávaro esclareceu à categoria as possibilidades proposta pelo Governo para o pagamento dos 11,28% de revisão salarial.

“Em hipótese alguma gostaríamos de deixar de pagar o RGA aos servidores. Não é maldade com os servidores. Pelo contrario, os servidores são muito importantes. No ano passado, com razoável dificuldade nós pagamos o RGA em duas parcelas. Nós tínhamos uma previsão orçamentária na faixa de 5,5%, colocamos uma previsão orçamentária de 6% na LDO, e esse percentual foi apresentado aos servidores”, esclareceu.

Ele afirma ainda que entende que o índice não é o ideal, mas que o Estado está cumprindo à risca as leis de carreiras. Os professores receberam os 7% de reajuste em maio, os policiais civis receberam 10%, citou o vice-governador, reafirmando a necessidade de enquadramento dentro da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) – o que tem impedido o governo de pagar a resposição.

“Não estamos fechados a negociar. Trazendo a LRF abaixo dos 49%, que é a determinação legal, com o aumento da arrecadação, e com os repasses federais, como o FEX  2016, em que o governo federal deve mais de um bilhão de reais à Mato Grosso, podemos rediscutir isso”, esclareceu.

A respeito do movimento de greve, ele afirma a legitimidade da manifestação e citou o movimento Grito do Ipiranga, organizado pelo setor do agronegócio diante da crise econômica de 2006.“Naquele movimento eu decidi que não seria mais um cidadão que colocaria a culpa das minhas frustações no governo, e que lutaria para conseguir dias melhores. No entanto, naquele momento, conseguimos muito pouca coisa, mas a partir do momento que estávamos sempre abertos ao diálogo, conseguimos políticas públicas para o agronegócio”, expôs Fávaro, pedindo diálogo e paciência aos servidores neste momento.

 

                 

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes