domingo, 21/04/2024
Banner animado
InícioGeralEconomiaPERIGO À VISTA: José Aníbal alerta para sinais vermelhos emitidos pela economia...

PERIGO À VISTA: José Aníbal alerta para sinais vermelhos emitidos pela economia brasileira

Banner animado

    Os sinais vermelhos emitidos pela economia nacional indicam que algo não vai bem. Desemprego batendo recordes, indústria capenga, competitividade em baixa, crescimento pífio e inflação que já assusta o consumidor são alguns dos alertas. Para o deputado José Aníbal (SP), “o Brasil não vai bem e entrou em uma descendente sob todos os pontos de vista”. “Há pouco investimento, pouca inovação tecnológica e pouca agregação de valor. Com isso, nosso desempenho é cada vez pior. O país está ficando travado”, alertou o deputado, que é formado em economia pela Universidade de Paris-Sorbonne.

                       Crescimento pífio – O deputado ressalta que, devido à falta de reais investimentos e pela forma como o governo trata as finanças, o Brasil sequer vai conseguir acompanhar o crescimento mundial em 2014 e 2015. Dados divulgados pela ONU revelam que a expansão do PIB brasileiro será de apenas 1,7% neste ano. A projeção inicial era de 3%. Só a Rússia, em pleno conflito com a Ucrânia, vive situação mais dramática.

                  A média da expansão do PIB mundial é de 2,8% no ano. Mesmo os países ricos, que ainda enfrentam dificuldades por causa da crise, vão crescer mais que o Brasil. Nos Estados Unidos a taxa prevista de expansão é de 2,5%. Para 2015, a ONU prevê crescimento de 2,8% no Brasil, bem abaixo dos 4,2% projetados inicialmente pela entidade. Aníbal avalia que o próximo governante terá que tomar diversas medidas para alavancar o crescimento.  “Tem que haver mais investimentos, mais empregos. É preciso estimular a competitividade, a produtividade. O Brasil não pode ser uma ilha em um mundo cada vez mais competitivo”, alerta.

Competitividade em baixa
O país também caiu três posições no Índice de Competitividade Mundial 2014, ficando em 54º no ranking composto por 60 países.  A presença do Brasil entre os últimos colocados é atribuída ao fato de o país não conseguir sustentar seu crescimento. “Essa queda mostra uma ausência cada vez maior do país no comércio internacional. Um dos problemas graves desse governo é que ele não faz acordos, mas está presente nas cadeias globais. Com isso, vai se isolando. É uma política externa desastrosa, que nos relega a uma posição secundária na economia mundial”, lamenta Aníbal.

                     Desemprego - Em abril, o número de novos empregos com carteira assinada foi o menor dos últimos quinze anos para o mês. Segundo dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego, foram criadas 105.384 vagas no período, número 46,5% inferior ao do mesmo mês do ano passado. Para Aníbal, é mais uma luz vermelha que se acende.  “Temos que entender essas luzes vermelhas, elas têm suas razões. É algo que afeta as expectativas dos brasileiros, dos jovens trabalhadores que querem evoluir e ter mais oportunidades. Mas o governo vai minando a credibilidade e confiança dos brasileiros”, avalia.

                                 Inflação - O governo elevou as projeções de inflação para 2014. Segundo relatório divulgado pelo Ministério do Planejamento, a previsão para o IPCA acumulado no ano subiu de 5,3% para 5,6%. Já o Boletim Focus, do Banco Central, divulgado na semana passada, prevê inflação de 6,43%, quase batendo o teto da meta, de 6,5%. O deputado do PSDB afirma que o governo trata a inflação de forma licenciosa.

                           “O resultado está aí: preços administrados, seja da energia elétrica, dos combustíveis, tudo no intuito de maquiar o incremento da inflação”, critica.  Mesmo com os artifícios usados pelo governo, o tucano afirma que os brasileiros já sentem o salário ser corroído por um aumento de preços frequente.  “A inflação está cada vez mais pesada e consumindo recursos que o trabalhador poderia investir em outras coisas”, ressalta.

                       Confiança em baixa na Indústria – O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) caiu para 48 pontos em maio, de acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Foi o segundo mês consecutivo em que o indicador ficou abaixo dos 50 pontos, o que indica falta de confiança do empresariado. 

                     O índice deste mês é o segundo menor da série histórica medida desde 1999 – só é maior que o de janeiro de 2009, quando o indicador alcançou 47,5 pontos. Os investidores temem aplicar recursos no país.

                    “Por onde se olha é possível ver que o governo está travando a economia, deixando de ter credibilidade e confiança, inclusive para os investidores”, aponta Aníbal. “Além de tudo isso, a gestão do PT tem causado uma crise no setor de energia, com Petrobras e Eletrobrás na UTI por corrupção, má gestão e desvio de dinheiro”, explica o tucano, ao culpar a presidente Dilma pelo caos instalado, sobretudo na área de energia, da qual está à frente desde 2003, quando assumiu o Ministério de Minas e Energia.

Números:

6,43%
É a previsão de inflação do último boletim Focus, do Banco Central. O número quase bate o teto da meta estipulada pelo governo, de 6,5%.

105.384
Empregos foram criados em abril, número 46,5% inferior ao do mesmo mês do ano passado.

                 (Reportagem: Djan Moreno/ Foto: Alexssandro Loyola/ Áudio: Hélio Ricardo)

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes