sábado, 24/02/2024
Banner animado
InícioNotíciasPolíticaPrefeitos pedem complementação do repasse para o transporte escolar

Prefeitos pedem complementação do repasse para o transporte escolar

Banner animado

Fonte:Agência de Notícias da AMM

                   A defasagem do valor repassado pelo estado para as prefeituras custearem o transporte escolar continua impactando as finanças municipais. O assunto voltou a ser discutido nesta quinta-feira (25), na Associação Mato-grossense dos Municípios,  pela comissão de prefeitos criada para debater o encaminhamento das demandas junto ao estado.

                  A proposta do governo para 2016 é o repasse de R$ 2,05 por quilômetro rodado. A comissão propõe o valor de R$ 3,50, sendo que a diferença, equivalente a R$ 1,45, seria repassada em óleo diesel para o transporte, exclusivamente, dos alunos da rede estadual.

                   O presidente da AMM, Neurilan Fraga, disse que a atualização do valor é justa e necessária, considerando que os municípios enfrentam dificuldades para complementar os gastos com o serviço. “Estamos aguardando uma audiência com o secretário da Casa Civil, Paulo Taques, para tratar sobre o assunto e confirmar a compensação”, assinalou. O secretário de  Educação, Permínio Pinto, já encaminhou a proposta da complementação para Taques.

                O prefeito de Nossa Senhora do Livramento, Carlos Roberto da Costa, que integra a comissão, disse que está otimista com relação ao atendimento da reivindicação. “Acreditamos que haverá avanços, pois a proposta é justa e estamos reivindicando apenas a diferença do que os municípios estão gastando com alunos do estado”, assinalou.

                A prefeita de Pedra Preta, Marileide Araújo Coelho Philipi, que também faz parte da comissão, ressaltou a importância do atendimento da demanda. Atualmente o município gasta R$ 4,18 reais por quilômetro rodado, mais que o dobro do valor repassado pelo governo.  Há prefeituras que investem ainda mais no serviço, como Colniza, que aplica R$ 5,50 por quilômetro rodado, e Barra do Bugres, que investe R$ 5,03, conforme levantamento realizado pela Associação.

                 A necessidade do reajuste do repasse para os municípios já foi debatida em várias reuniões realizadas pela AMM. No começo deste mês a instituição reuniu prefeitos e o secretário de Educação, Permínio Pinto, para discutir o tema. A reunião foi conduzida pelo presidente da Associação, que defendeu o reajuste, considerando que os valores passaram por quatro anos, no último governo, sem atualização.

             Além da defasagem do repasse, os gestores também terão que administrar este ano o reajuste do piso salarial dos professores, o aumento do salário mínimo, e o reajuste anual pelo INPC sobre a folha de pagamento dos servidores. Estas obrigações farão com que os municípios enfrentem dificuldades para se manterem enquadrados no limite de 54% estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal para gastos com pessoal.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes