sexta-feira, 01/03/2024
Banner animado
InícioGeralCiência e TecnologiaQuais os principais riscos na internet em 2024? Hackers respondem

Quais os principais riscos na internet em 2024? Hackers respondem

Banner animado

Com a inteligência artificial em alta, alguns golpes estão mais sofisticados. Todo cuidado com seus dados é pouco

Por Vitoria Lopes Gomez, editado por Bruno Capozzi 

smartphone celular segurança
(Imagem: Tero Vesalainen/Shutterstock)

Tudo sobre Inteligência Artificia

Por Marijus Briedis, CTO da NordVPN

Na busca pelos principais perigos digitais enfrentados pelos usuários da internet, especialistas em cibersegurança decidiram direcionar esforços para o epicentro de discussões obscuras no universo on-line: os fóruns da dark web. As descobertas resultantes revelam aspectos interessantes, desde cursos de hacking até vazamento de nudes e o uso de inteligência artificial em golpes. Ou seja, uma gama variada de ameaças está em ascensão. É um cenário que reforça a necessidade de maior atenção à segurança, uma vez que os desafios são diversificados e impactam diretamente a experiência dos usuários.

Nudes vazados e deepfake que simulam pessoas nuas

  • Os tópicos mais comentados em fóruns na dark web são os nudes vazados de sites como OnlyFans e até mesmo de redes sociais como o Instagram.
  • Essas conversas receberam em média 1.850 comentários. Portanto, todo cuidado com fotos íntimas na internet é pouco. A tendência no próximo ano é vermos ainda mais ataques nesse sentido.
  • Outro caminho que os criminosos podem seguir é o uso da IA ou tecnologia deepfake para criar nus falsos e enganar potenciais compradores.
  • Para evitar o vazamento de fotos na web, a solução é drástica: recomenda-se não enviar imagens pelas redes sociais. Contudo, para quem ainda optar por persistir com a prática, o ideal é usar soluções em nuvem criptografadas ao compartilhar os arquivos.
Hacker de costas rodeado por equipamentos
(Imagem: Wikimedia Commons)

Golpes estarão mais sofisticados com uso de IA

Contas invadidas no ChatGPT e guias explicativos sobre a utilização de IA em ataques cibernéticos estão se tornando cada vez mais populares. Os alvos dos hackers ainda vão além dos usuários de IA; os criminosos digitais também estão incorporando a ferramenta para ampliar a abrangência e simplificar o processo, tornando suas ações mais ágeis e eficientes.

O crescente uso de plataformas de inteligência artificial está tornando a automação de ataques de phishing mais acessível. Os especialistas recomendam aos usuários utilizar extensões de navegadores projetadas especificamente para evitar golpes do tipo, visando maior proteção on-line.

Apple hackers
(Imagem: Martin Grincevschi / Shutterstock)

Atenção aos dados divulgados na internet

Além do risco relacionado a fotos comprometedoras, há uma crescente preocupação com a possibilidade de dados sensíveis circularem ainda mais entre cibercriminosos no próximo ano. De acordo com pesquisadores, 55% dos tópicos de discussão na deep web estão centrados em informações vazadas de clientes, como perfis em mídias sociais, carteiras de motorista, endereços, e-mails, entre outras. A busca incessante dos hackers por informações vulneráveis indica que nenhum usuário está imune a potenciais golpes.

O recurso mais indicado para que os internautas protejam seus dados on-line é a autenticação multifator. Vale ressaltar que, apesar da crescente implementação da tecnologia biométrica em várias plataformas de segurança, o levantamento indica que hackers já encontraram maneiras de contornar alguns métodos, como a verificação por selfie em plataformas criptográficas. A autenticação biométrica, apesar de ser considerada uma parte do futuro da segurança on-line por especialistas, é vista como mais confiável apenas quando combinada com outros fatores.

Recentemente, a tecnologia de chaves de acesso também tem se destacado como um desenvolvimento promissor, consistindo em um par de chaves (pública e privada) que, interdependentes, oferecem proteção adicional. A chave privada, vinculada ao dispositivo, requer identificação biométrica ou um PIN para acesso, tornando-a mais robusta contra ameaças cibernéticas.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes