sábado, 24/02/2024
Banner animado
InícioCOMUNIDADE EM PAUTATRT/MT - Especialista em Ler/Dort explica sinais que indicam lesões nos trabalhadores

TRT/MT – Especialista em Ler/Dort explica sinais que indicam lesões nos trabalhadores

Banner animado

Realizar muitos movimentos repetitivos no trabalho e sentir dores nas mãos é um alerta para a existência de Lesões por Esforço Repetitivo (LER) ou Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT). Para tratar sobre o tema, a Entrevista da Semana da Rádio TRT FM 104.3 traz a chefe da unidade de Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho do Hospital Júlio Muller, Priscila Chaulet.

Ouça na Radioagência TRT

A Entrevista da Semana vai ao ar toda segunda, a partir das 8h, dentro do programa TRT Notícias. Para ouvir, basta sintonizar a frequência da rádio (104.3MHz – região metropolitana de Cuiabá) ou acessar o endereço www.trtfm.com.br. Também é possível ouvir através dos sites CX RádioTudo Rádio, entre outros serviços semelhantes.

Confira os principais trechos:

Explique as diferenças entre LER e DORT e as consequências para a saúde do trabalhador.

LER é uma lesão por esforço repetitivo causada por movimentos repetitivos realizados várias vezes. Não que sejam sem parar, mas que são repetidos praticamente todos os dias durante todo o ano de trabalho. Já a DORT é uma doença osteomuscular que vai afetar músculos, tendões e ossos relacionados aos movimentos repetitivos no trabalho.

A diferença entre elas é que a LER pode ser causada por movimentos repetitivos não realizados no trabalho, enquanto que a DORT está realmente relacionada ao trabalho, como no caso de uma atribuição que exige a retirada de produtos de uma máquina para serem colocados em caixas durante todo o expediente. As duas patologias estão relacionadas ao movimento repetitivo, mas com essa diferenciação entre uma e outra.

Na pandemia da covid-19, em que boa parte dos trabalhadores ficaram em casa, principalmente quem atua na área administrativa, e que não conseguiu ter uma cadeira ergonômica para adotar uma postura mais adequada, pode ter tido esse comprometimento durante o home office.

Existe alguma forma de prevenção contra LER/DORT?

Sim. Orientamos que o trabalhador adote uma postura adequada durante a sua atividade. Isso não só para quem fica sentado em frente ao computador, mas para qualquer outro tipo de atividade. Quem atua na área assistencial de hospital, como eu, que sou enfermeira, quando for preciso fazer medicação e o paciente está numa poltrona baixa, vamos pegar um banquinho e sentar para não precisar ficar com a coluna encurvada. E nos pronto-atendimentos a gente sabe que tem muitos pacientes que fazem medicação endovenosa, então, tem que ter esse cuidado. Adotar uma postura adequada durante a realização da atividade do trabalho é importante, assim como a realização dos intervalos.

Nós recomendamos pausa de cinco a dez minutos a cada hora trabalhada. Hoje a gente sabe que esses intervalos curtos são melhores do que intervalos longos. Nesse período, é importante levantar, beber um pouco de água e, se possível, fazer também um alongamento, esticar os braços, as pernas e dar uma alongada na coluna. Essas são as principais recomendações para prevenir a LER/DORT.

Tem tratamento para reverter o quadro de um trabalhador acometido por LER/DORT?

Tem tratamento. LER e DORT não chegam a incapacitar o trabalhador. As duas enfermidades têm tratamento clínico, medicamentoso e fisioterapia. Nos casos mais graves, quando já existe comprometimento de tendões e nervos, pode ser necessário procedimento cirúrgico e até uma reabilitação mais específica.

Quando a gente tem um caso mais grave, pode ser que esse trabalhador tenha que ser remanejado de função ou de setor porque ele já não consegue mais desenvolver aquela atividade, mas totalmente incapacitado não ocorre.

Uma dica: logo que a enfermidade começar a aparecer, assim que os sintomas surjam, é preciso buscar o atendimento médico para descobrir o que está acontecendo. Assim, dá para entrar com tratamento e geralmente a medicação é mais fácil do que passar por um procedimento cirúrgico, que é mais doloroso e mais demorado.

Como a empresa pode contribuir para combater essas doenças no ambiente de trabalho?

Tem as ações que o trabalhador pode desenvolver, mas também tem as ações da empresa e que são muito importantes para evitar lesões. Entre essas ações está o fornecimento de equipamentos ergonômicos como cadeiras, apoio de mão e apoio de pés. Nas indústrias, maquinários que sejam adaptáveis para a altura do trabalhador.

Outro ponto são as campanhas informativas para orientar o trabalhador sobre a existência dessas lesões, de forma a educar as pessoas sobre a utilização correta do maquinário, dos equipamentos e realizar os ajustes nas cadeiras. Pode-se ainda oferecer ginástica laboral, algo que não é uma realidade de muitas empresas, mas também é um momento em que o colaborador vai alongar, relaxar um pouco e contribuir para que o trabalhador adote posturas mais adequadas durante o desenvolvimento das suas atividades.

Como o trabalhador tem que se posicionar quando, por exemplo, sua mão está doendo porque ele digita repetitivamente? Qual é o primeiro passo, quem ele deve procurar ou qual especialista?

Quando o trabalhador suspeitar de algum problema, precisa ir ao ambulatório da própria empresa, quando tiver. Normalmente empresas menores não possuem esse serviço, mas provavelmente vai ter algum serviço de saúde de referência.

Quem vai poder diagnosticar é o médico. Quem vai conseguir ter uma visão melhor seria o médico ortopedista em relação a esse tipo de lesão, mas um clínico geral também consegue fazer a avaliação e, se necessário, solicitar exames e encaminhar ao médico ortopedista ou médico do trabalho.

Vou repetir, o importante é observar o nosso corpo para perceber quando algo não está bem. Percebeu que tem algum sinal ou sintoma? É preciso procurar um serviço de saúde, passar por uma consulta médica e receber o diagnóstico.

(Comunicação Social)

ARTIGOS RELACIONADOS
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes