terça-feira, 05/03/2024
Banner animado
InícioTRANSPORTESNORTÃO: Edital e leilão para concessão na BR- 163 estão previstos para...

NORTÃO: Edital e leilão para concessão na BR- 163 estão previstos para o 2º semestre

Banner animado

                             Informações foram repassadas pelo coordenador de Outorga de Rodovias Federais da ANTT, StephaneQuebaud, em audiência pública realizada na noite da quinta-feira (31.03), em Guarantã do Norte, que discutiu a privatização na BR-163 entre Sinop e Porto de Miritituba, no Pará.

Audiência Pública em Guarantã do Norte – MT (Foto: Marcos Lopes/ALMT)

SANDRA COSTA/Secretaria de Comunicação

                        Aproximadamente 800 pessoas participaram da audiência pública realizadana noite da quinta-feira (31) em Guarantã do Norte para discutir a privatização na BR-163, no trecho entre Sinop e o Porto em Miritituba, no Pará. No evento, realizado pela Assembleia Legislativa em conjunto com o Senado Federal, foram coletadas sugestões para aprimoramento do edital e leilão dessa concessão, previstos para o segundo semestre deste ano.

                   De acordo com o coordenador de Outorga de Rodovias Federais da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Stephane Quebaud, essa é a quarta audiência realizada e foi uma solicitação extra prontamente atendida, uma vez que as discussões foram encerradas no dia 12 de fevereiro de 2016, após a realização de audiências em Sinop, Santarém e Miritituba, as duas últimas no Pará.

“Disponibilizamos um link no site da ANTT e até o dia 14 de abril receberemos sugestões que serão analisadas e podem ou não ser incorporadas ao projeto, sendo ainda analisadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Com isso, o edital, que seria lançado junho, deverá sair entre julho e agosto deste ano, e o leilão em novembro, para que a concessão seja autorizada a iniciar os trabalhos em janeiro de 2017. Essa é a nossa meta”, declarou Quebaud.

                O projeto de concessão compreende 12 municípios dos dois estados com sete praças de pedágio, totalizando 976 quilômetros entre Sinop e o Porto de Miritituba, dos quais apenas 120 não estão asfaltados. O início da cobrança de pedágio é previsto para um ano e meio depois que a concessionária tiver autorização para atuar no trecho e com a realização de obras importantes, como a finalização do asfaltamento, duplicação de vias e substituição das pontes de madeiras.

Conforme o diretor de Concessões do Ministério dos Transportes, Fábio Luiz Lima de Freitas, o investimento será de R$ 6,5 bilhões e um dos pontos de discussão é o período da concessão, se de 12 anos ou 30 anos.

“A BR- 163 faz parte do arco logístico do norte e a discussão em torno do tempo da concessão leva em conta o projeto de ferrovia, pois um modal não pode inviabilizar o outro, e sim, chegar a um equilíbrio econômico. Por isso, a necessidade de dotar de infraestrutura para termos condição de produção e logística mais barata, ampliando a competitividade dos nossos produtos”, afirmou de Freitas.

Outro ponto discutido, foi com relação à praça de pedágio que deverá ser implantado entre Guarantã do Norte e Peixoto de Azevedo. O deputado estadual Pedro Satélite, um dos autores dessa audiência, se posicionou contrário a essa parte do projeto. Segundo ele, o melhor é fazer com que esse pedágio seja instalado depois de Guarantã, na divisa entre Mato Grosso e o Pará.

“Temos que levar em consideração também as travessias urbanas, visto a necessidade de haver trincheiras e viadutos antes de iniciar a cobrança do pedágio. Diante das manifestações públicas, fizemos uma reunião com o ministro dos Transportes expondo que essa microrregião de Mato Grosso não estaria satisfeita e a discussão foi reaberta para mais sugestões serem agregadas”.

Para Satélite, o investimento na BR-163 é fundamental, já que se trata de uma das principais rodovias do país. “Hoje, a logística de Mato Grosso é muito ruim. Com essa concessão, podemos agregar valor à produção, com preços mais competitivos ao escoar os produtos pelo porto de Miritituba do que pelo porto de Santos”.

Membro da Comissão de Infraestrutura no Senado Federal, o senador Wellington Fagundes, destaca que para solucionar o problema de infraestrutura, o ideal é o investimento em logística, com ampliação dos modais hidroviários e ferroviários. Afirmou que as estradas continuam sendo importantes no país e a BR-163 é a que liga toda a região da Amazônia com o sul do Brasil.

“Concomitantemente a concessão dessa rodovia, é preciso pensar no projeto da nova ferrovia. Por isso, fizemos essas audiências para saber qual a melhor forma de tempo de concessão, se de 12 anos ou 30 anos, visto que a concessão da ferrovia poderá ser uma concorrente eisso não pode ser um impeditivo, tem que encontrar uma forma de somar”.

O preço do pedágio foi outro tema alvo de críticas, principalmente pelo setor produtor. O gerente de Relações Institucionais da Aprosoja, Frederico Azevedo, explicou que, dependendo do valor, escoar a produção agrícola pelo Porto de Miritituba pode se tornar inviável.

“O estudo apresentado mostra que, em média, 100 quilômetros percorridos teriam um custo de R$ 10. Enquanto hoje, em outros trechos concedidos no Estado, o valor é de R$ 4,5. Sem falar que temos ainda em torno de 120 quilômetros de estrada de terra até o Porto Miritituba. Tudo isso incide no valor do frete”.

Na audiência vários setores estiveram representados, entre eles a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), prefeitos de Guarantã e Peixoto de Azevedo, vereadores e representantes do Departamento Nacional de Infraestrutura (Dnit); do setor de Transportes; da Polícia Rodoviária Federal (PRF); do Rotary Club e Lions Club; universitários e representantes do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT).

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes