sábado, 02/03/2024
Banner animado
InícioTRANSPORTESGREVE DOS CAMINHONEIROS: manifestantes continuam com bloqueios em 7 pontos

GREVE DOS CAMINHONEIROS: manifestantes continuam com bloqueios em 7 pontos

Banner animado
Foto destaque: Assessoria/PRF

                                    Manifestantes continuam bloqueios na BR-163 e BR-364 em Mato Grosso.

Bloqueios começaram na madrugada de quinta e continuam nesta sexta.

Denise SoaresDo G1 MT

Trecho da BR-163, em Sorriso (MT), também foi interditado pelos caminhoneiros. (Foto: Reprodução/TVCA)
Trecho da BR-163, em Sorriso (MT), também
foi bloqueado. (Foto: Reprodução/TVCA)

                                        Os caminhoneiros continuaram os bloqueios nas rodovias federais de Mato Grosso entre a noite de quinta (23) e manhã desta sexta-feira (24). De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), as manifestações atingem sete trechos em seis cidades mato-grossenses. Apesar dos bloqueios, os policiais rodoviários afirmam que não existem grandes congestionamentos.

Segundo a PRF, os bloqueios são nas seguintes regiões: Lucas do Rio Verde (BR-163, km 688), Nova Mutum (BR-163, km 598), Sorriso (BR-163, km 748), Guarantã do Norte (BR-163, km 1058), Diamantino (BR-364, km 615) e Rondonópolis (BR-364, kms 200 e 206). Em todos esses trechos os manifestantes autorizam somente a passagem de carros, ônibus, ambulâncias e veículos oficiais.

Os bloqueios começaram na madrugada de quinta-feira onde os caminhoneiros interditaram trechos da BR-163 e BR-364. Ao longo do dia o protesto ganhou adesão e chegou ao sétimo trecho bloqueado em Guarantã do Norte, a 721 km de Cuiabá.

Até o momento não foi registrado pela PRF nenhum tipo de problema ou desentendimento nas estradas. Para evitar congestionamentos, a orientação dada pelos policiais aos caminhoneiros é que fiquem parados nos postos de combustível e às margens das rodovias.

Protesto
Os caminhoneiros decidiram retomar os protestos após reunião com o governo federal na quarta-feira (22), por discordarem da proposta apresentada pelo poder público de criar uma tabela referencial, que sugira o preço do frete. Os manifestantes querem uma tabela impositiva, que determine o preço mínimo.

Em nota divulgada na quarta-feira, o governo federal afirma que a proposta apresentada atende as reivindicações da categoria. O último protesto dos caminhoneiros em Mato Grosso havia ocorrido em março e durou 12 dias.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes