segunda-feira, 04/03/2024
Banner animado
InícioProsa e PoesiasO silêncio que acolhe

O silêncio que acolhe

Banner animado

Imagem reprodução web

                Aí você chega colocando os bofes para fora.

                As crianças, estão super gripadas, por isso nem adianta levar para a creche, eles não recebem as pequenas assim.

 Mesmo tendo combinado com uma babá na noite anterior, ela simplesmente não apareceu.

 Sua mãe e sogra, que sempre te ajudam quando as coisas apertam, resolveram viajar.

 Seu marido está recebendo os investidores japoneses na empresa.

 Não existe chance de atrasar um só minuto.

 Sua reunião com o cliente mais importante da agência é às 10h, são 8h30 e você não sabe quem poderá cuidar das gêmeas nesse lindo dia de sol.

 Depois de alguns telefonemas, sua tia se oferece para passar o dia com as pequenas.

 Em incríveis 20 minutos, ela está à porta de sua casa e, após 30 minutos daquele encontro magnífico, você chega ao escritório.

 Colocando os bofes para fora.

 Senta-se pesadamente e, enquanto tenta esconder, com base e pó, as olheiras que denunciam sua noite mal dormida, faz o relato acima para sua colega de sala.

 Antes mesmo de terminar de falar ela começa a contar do dia em que seus filhos adoeceram e a babá faltou.

 Conta a história com uma riqueza de detalhes completamente dispensáveis.

 A moça, dona de uma história muito mais trágica que a sua, parece não ter ouvido uma só palavra do seu lamento. Sua impressão é que, enquanto falava, ela simplesmente pensava na história que contaria mesmo antes de você terminar e nada mais.

 Não sei o que você pensa sobre o assunto, mas para mim não existe nada mais irritante do que isso: acabar de relatar algo e em vez de ter a empatia do seu interlocutor, simplesmente ouvir outra história com o mesmo tema, apenas mais trágica que a sua.

 Parece que aquilo que você acabou de contar não tem a menor importância.

 Escutar atentamente, simplesmente prestar atenção de verdade ao que o outro diz de maneira acolhedora e solícita é habilidade que poucos conseguem exercer.

 Talvez, seja por isso que pessoas que assim o fazem se tornam queridas e especiais tão naturalmente.

 Porque escutam em vez de simplesmente ouvir.             

 Vivi Antunes é cronista do cotidiano, mora em Brasília e ajunta suas letrinhas toda segunda, quarta e sexta no www.viviantunes.wordpress.com

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes