quarta-feira, 21/02/2024
Banner animado
InícioNotíciasJustiça e VocêServidora que adotar filho terá 180 dias de licença-maternidade

Servidora que adotar filho terá 180 dias de licença-maternidade

Banner animado

 

Foto: reprodução/Revide

Foto: reprodução/Revide

Servidora pública que adotar filho também terá direito a 180 dias de licença-maternidade remunerada.

               A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) foi tomada na quinta-feira, (10). Com a decisão, a Corte igualou a regra válida para os casos de licença-maternidade para servidoras gestantes, ou seja, que terão filho de sangue. A mudança vale apenas para servidoras contratadas na Lei 8.112/1990, conhecida como Estatuto do Servidor Público Federal.

O que muda

A partir de agora, servidoras poderão pedir licença-adotante de 120 dias, prorrogáveis por mais 60.

Antes da decisão do Supremo, as adotantes tinham direto a 30 dias de licença, prorrogáveis por mais 15.

A decisão não vale para pais adotivos.

Motivo

A Corte julgou o recurso de uma servidora pública que não conseguiu obter licença de 180 dias após ter adotado uma criança menor de um ano.

Ao julgar o caso, o ministro Luís Roberto Barroso, relator do recurso, entendeu que a legislação não pode estabelecer prazos diferentes para licença de mães adotantes e gestantes

“Se quanto maior é a idade, maior é a dificuldade de adaptação da criança à nova família, e se o fator mais determinante da adaptação é a disponibilidade de tempo dos pais para a criança, não é possível conferir uma licença-maternidade menor para o caso de adoção de crianças mais velhas.”, disse o ministro.

A ministra Rosa Weber, que é adotante, também votou para igualar as regras de licença-maternidade e licença-adotante, por entender que negar o direito aos prazos iguais significa discriminar a criança adotada.

“Ao Estado, enquanto comunidade, interessa a formação de um ser humano saudável, e, nisto, é insubstituível o papel da mãe, especialmente nos primeiros meses, seja um filho natural ou não”, disse a ministra.

Também votaram a favor dos prazos iguais para os dois tipos de licença os ministros Edson Fachin, Teori Zavascki, Luiz Fux, Dias Toffoli, Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski. Marco Aurélio rejeitou o recurso por questões processuais.

Com informações da AgênciaBrasil

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes