domingo, 21/04/2024
Banner animado
InícioNotíciasSaúdeUNIDAS PELA CABEÇA: pela 1ª vez após separadas, gêmeas siamesas ficam frente...

UNIDAS PELA CABEÇA: pela 1ª vez após separadas, gêmeas siamesas ficam frente a frente: “vamos brincar?”

Banner animado

Por Renata Giraldi

Imagem de capa para Pela 1ª vez após separadas, gêmeas siamesas ficam frente a frente: “vamos brincar?”
Fora de perigo, Allana e Mariah, as gêmeas siamesas separadas em SP, se olharam pela primeira vez e já queriam brincar.- Foto: reprodução / hcrp.usp

Após 4 cirurgias, as gêmeas siamesas de 2 anos, que agora estão separadas, ficaram frente a frente pela primeira vez. A emoção das duas ao se olharem misturou surpresa e curiosidade. No vídeo, elas aparecem conversando, brincando e fazendo carinho uma na outra. (assista abaixo)

Unidas pela cabeça, Allana e Mariah viveram entre idas e vindas, nos últimos 12 meses, no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, em São Paulo.

A família das siamesas é de Piquerobi, a 237 quilômetros de São Paulo. Como é um município com pouco mais de 4 mil habitantes, todos se uniram para buscar tratamento para as gêmeas. Deu certo! Logo o Hospital das Clínicas (HC) da Universidade de São Paulo atendeu o caso.

O vídeo das gêmeas

Allana e Mariah parecem encantadas uma com a outra.

No vídeo, uma irmã chama a outra para brincar. “Oi, irmã. Vamos brincar, irmã?”.

Depois do cumprimento de uma delas, a outra olha deslumbrada para a gêmea que até então nunca tinha visto de frente.

As irmãs trocam carinho e brinquedos.

A mãe, Talita, aparece apenas falando no vídeo, maravilhada, lembrando que, em 2 anos, as gêmeas siamesas jamais tinham se visto de frente.

Suporte e apoio

A cidade inteira de Piquerobi se envolveu com Allana e Mariah. Foram feitas rifas, vaquinhas e todo tipo de ajuda para a família conseguir o tratamento.

Os médicos do Hospital das Clínicas (HC) da Universidade de São Paulo, referência nesse tipo de tratamento, receberam as meninas com todo suporte e apoio.

Apenas em uma das 4 cirurgias, elas ficaram 27 horas na mesa de operação.

Ao todo, 50 profissionais participaram das cirurgias das meninas entre médicos, enfermeiros, instrumentadores e equipe de apoio.

Caso raro

O caso das gêmeas siamesas é considerando extremamente raro, com um registro a cada 2,5 milhões de nascimentos.

As irmãs nasceram em Ribeirão Preto no dia 9 de dezembro de 2020, unidas pela cabeça.

A anomalia foi diagnosticada na gestação da mãe.

Desde 2021, elas são acompanhadas no HC.

SNB/ Com informações do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, em São Paulo.

Espalhe notícia boa!

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes