sábado, 24/02/2024
Banner animado
InícioComportamentoMúmia que morreu de parto no Egito é encontrada com cabeça de...

Múmia que morreu de parto no Egito é encontrada com cabeça de bebê presa na pelve

Banner animado

Flavia Correia 

Múmia egípcia grávida de gêmeos morreu no parto antes dos 17 anos (imagem meramente ilustrativa). Crédito: life_in_a_pixel – Shutterstock

Pesquisadores examinaram os restos mortais mumificados de uma jovem com idade estimada entre 14 e 17 anos do Egito Antigo, trazendo à tona uma trágica história de morte no parto. Encontrado em 1908, no cemitério El Bagawat, no Egito, a múmia passou recentemente por exames de tomografia computadorizada para descobrirem as circunstâncias precisas de sua morte.

Para surpresa da equipe, não foi encontrado apenas um feto, mas sim dois: um entre as pernas da mãe e outro na cavidade torácica. O primeiro estava sem cabeça. Os exames revelaram que essa parte do corpo do bebê ainda estava localizada na pelve da jovem, sugerindo uma possível decapitação durante o parto.

Embalsamento fez um dos fetos ir parar no tórax da múmia

Segundo os especialistas do Centro de Apoio a Museus da Instituição Smithsonian, em Nova York, EUA, é provável que a criança tenha nascido em posição pélvica, o que pode resultar na separação da cabeça do corpo durante o parto. Este tipo de nascimento pode representar complicações significativas na passagem pelo canal de parto, levando a consequências fatais tanto para a mãe quanto para os bebês.

De um lado, a tomografia computadorizada do feto sem cabeça. Do outro, os exames que apontam a existência de outro feto na caixa torácica da múmia. Crédito: Francine Margolis e David R. Hunt

Além disso, suspeita-se que os embalsamadores não tivessem conhecimento da gestação de gêmeos, deixando um dos fetos na cavidade torácica da mãe durante o processo de mumificação. Com o passar do tempo, o feto não nascido pode ter se movido para essa área à medida que a estrutura da múmia se deteriorava.

“Este exame da mãe e de seus filhos ao nascer confirma o quão perigosos eram a gravidez, o trabalho de parto e o parto, especialmente naquela época”, escrevem os autores do estudo, publicado na revista científica International Journal of Osteoarchaeology, segundo o qual os nascimentos de gêmeos eram vistos como altamente indesejáveis no Egito Antigo.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!
- Anúncio -
Banner animado

MAIS LIDAS

Comentários Recentes